Evanescence – Clip do filme Van Helsing

Posted in Músicas on 20/02/2011 by Victtor

Jude Law pode se tornar um vampiro…

Posted in Filmes on 20/02/2011 by Victtor

O ator britânico soa como o Drácula em A Última viagem do Demeter, um filme que vai se concentrar em um determinado trecho do romance de Bram Stoker: na passagem de Cárpatos da Transilvânia para Whitby, na Inglaterra. O filme narra a jornada de Drácula de seu castelo na Transilvânia para a Inglêsa cidade de Whitby, que adquiriu várias propriedades, incluindo Carfax Abbey “por Jonathan Harker. Uma viagem recriada através de diário de bordo, o capitão da Demeter, o navio que transportava as caixas de terra da Transilvânia em que o corpo precisa de descanso não está morto. Durante à noite, Drácula deixa o porão do navio para se alimentar dos passageiros, que vão morrendo um por um para matar a sede desse vampiro. A última viagem do Demeter é dirigido por David Slade, diretor completamente obcecado por vampiros que já filmou dois filmes sobre o tema, embora num tom diferente: o deslumbrante e selvagem 30 dias de escuridão e do Eclipse, terceiro filme da saga “Crepúsculo”.

fonte: http://www.20minutos.es

True Blood

Posted in Filmes on 13/02/2011 by Victtor

True Blood é uma série de TV dramática estadunidense criada por Alan Ball, baseada na série de livros The Southern Vampire Mysteries da americana Charlaine Harris.

True Blood  fala sobre a co-existência de vampiros e humanos em “Bon Tomps”, uma pequena cidade fictícia localizada em Louisiana. A série é focada em Sookie Stackhouse (Anna Paquin), uma garçonete telepata que se apaixona pelo vampiro Bill Compton (Stephen Moyer).

Conheça alguns personagens:

Sookie:

A garçonete de um restaurante da pequena cidade. É a protagonista principal da série. Por sua habilidade telepática, ela encontra dificuldades para manter relacionamentos humanos duradouros. Ao descobrir que não pode ler a mente de Bill ela se envolve em um caso de amor, onde a cidade inteira fica contra ela. Começa então a viver entre o universo de criaturas sobrenaturais em constante conflitos…

 

 

Bill Compton:

Um vampiro no qual Sookie se apaixona. Transformado no período da guerra civil contra a sua vontade, Bill mostra uma notável compaixão pela vida dos humanos. Ele é expressivo em suas emoções e resgata memórias de sua vida passada quando era humano. Bill se coloca em risco na sociedade dos vampiros para proteger Sookie dos perigos que sua relação proporciona.

 

 

 

Tara:

A melhor amiga de Sookie.  Por ter sido criada em um lar abusivo, Tara tem dificuldade em confiar nos outros. Sua propensão para afastar aqueles que estão próximos a ela, faz com que seja enganada por Jeanette, uma mulher que se oferece para exorcizar um demônio em Tara, dizendo ser é a fonte do problema.

 

 

Sam:

O dono do bar Merlotte’s, onde Sookie trabalha. Ele tem uma paixão não correspondida por Sookie, embora ele se envolva em um breve relacionamento com  a Tara durante a primeira temporada. Ele é um metamorfo que muitas vezes observando a Sookie sob a forma de um cão.

 

 

Eric Northman:

O xerife da Área 5. Um distrito de vampiros em Louisiana. Ele é um membro muito antigo e poderoso da comunidade dos vampiros. Ele é o dono do bar vampiro Fangtasia em Shreveport e desenvolve um interesse em Sookie depois de descobrir sua habilidade única durante a primeira temporada.

 

 

 

 

Acesse o Site Oficial de True Blood:

http://www.hbo.com/true-blood/index.html

 

Sobre a 4ª Temporada

(Artigo extraído do site: www.minhaserie.com.br )

A quarta temporada de True Blood estreia nos Estados Unidos apenas em julho, mas notícias sobre o que vai acontecer nos episódios deste ano não param de surgir. E para deixar os fãs da série vampiresca ainda mais ansiosos pelo retorno de Sookie, Bill, Eric e companhia, a HBO já liberou o primeiro vídeo promocional do quarto ano da série. Vejam só:

Em entrevistas recentes, o elenco da série aproveitou para revelar pequenos spoilers sobre o que veremos nesta temporada.

Janina Gravankar (que em The L Word foi Eva “Papi” Torres) foi entrevistada pela revista Eastern Eye e falou um pouco sobre sua personagem em True Blood, Luna: “interpreto uma professora de escola chamada Luna, ela é uma metamorfa. E qualquer um que já tenha assistido à série sabe como os seres sobrenaturais são rápidos para arrancar suas roupas. Agora, ela está apaixonada por Sam Merlotte e pronta para atacá-lo.”

Falando em metamorfos, Ryan Kwanten, o Jason Stackhouse, disse que na nova temporada acompanharemos o irmão de Sookie “vivendo os altos e baixos de estar apaixonado por Crystal” — que, como sabemos, veio de uma comunidade isoladas em que as pessoas se transformam em animais, mais especificamente, em panteras.

“Jason não sabe escolher muito bem suas namoradas. Crystal se revelou algo que ele não esperava. É uma estrada perigosa. Além disso, agora ele é um policial. E se existe alguém no mundo que não deveria ter uma arma nem um senso de autoridade, essa pessoa é Jason Stackhouse!”, brincou o ator. Certamente a combinação de Jason e um distintivo de policial vai trazer dores de cabeça aos moradores de Bon Temps…

Joe Manganiello, que interpreta o lobisomem Alcide na série, também revelou detalhes do que virá por aí. O ator contou ao E! Online que “se a terceira temporada foi sobre lobisomens, esta quarta temporada será das bruxas!” Nenhuma novidade por enquanto…

Mas o que Todd Lowe, o Terry Bellefleur, disse em seguida foi bem mais interessante: “há uma nova presença na vida de Terry e Arlene.” Sim, nós já sabemos que a garçonete interpretada por Carrie Preston está esperando um bebê… resta saber se será realmente um bebê ou um monstro, e Manganiello deu a dica: “os dois! Vocês já assistiram a A Mosca? É mais ou menos isso.”

fonte:

Youtube, Google

http://www.fangteambr.wordpress.com

http://www.minhaserie.com.br

Trailer de – Priest – (Padre)

Posted in Filmes on 30/01/2011 by Victtor

PADRE, um thriller de ficção científica pós-apocalíptico, se passa num mundo alternativo — um mundo devastado por uma guerra centenária entre homens e vampiros. A história gira em torno do lendário guerreiro Padre (Paul Bettany) que desde a última guerra vive na obscuridade junto com outros humanos oprimidos em cidades cercadas por paredes e governada pela igreja. Quando sua sobrinha (Lily Collins) é seqüestrada por um bando de vampiros assassinos, Padre quebra seus votos sagrados para iniciar uma busca obsessiva para encontrá-la antes que eles a transformem em um deles. Juntam-se a ele nesta cruzada o namorado de sua sobrinha (Cam Gigandet), um jovem xerife e uma antiga guerreira (Maggie Q) que possui habilidades de luta de outro mundo.

Veja o Trailer:

Vampirismo Universal

Posted in Pesquisas on 29/01/2011 by Victtor

A crença em vampiros nasceu milênios de anos atrás, quando o homem descobriu que o sangue é a fonte da vida, e se espalhou pelo mundo todo. Em muitos lugares, como na Romênia – pátria de Drácula, ela sobrevive ainda hoje.

O significado do vampirismo perde-se muito longe no passado, desde que o caçador primitivo descobriu que, Juntamente com o sangue que sai de um animal, ou de um outro homem, a vida também escapa e se extingue. O sangue é a fonte da vitalidade. Por isso, os homens se besuntaram a si mesmos de sangue, e às vezes o beberam. Foi assim que a idéia de beber sangue para renovar a vitalidade entrou na historia. Para o vampiro, na verdade, “o sangue é a vida” – como citou Drácula, e ainda em Deuteronômio 12:36, embora a passagem bíblica real seja uma advertência contra beber sangue. (“Tão somente o sangue não comereis; sobre a terra derramarei como água”) Outra passagem da Biblia onde cita a advertência esta em Gêneses 9:4 (“A carne porem, com sua vida, isto é com seu sangue, não comeris”)

A crença em vampiros é universal. Ela é documentada na antiga Babilônia, no Egito, em Roma, na Grécia e na China. Os relatos sobre vampiros existem em civilizações completamente separadas, entre as quais, quais quer influências diretas foram impossíveis. O vampiro é conhecido por vários nomes – vrykolakes, brykilakas, barbarlakos, borborlakos ou bourdoulakos em grego moderno; katakhanoso ou baital em sânscrito antigo: upiry em russo; upiory em polonês; blutsäuger em alemão; etc. Os chineses antigos temiam o giang shi, um demônio que bebia sangue. Na China, os vampiros já existiam em 600 a.C. Descrições de vampiros são encontradas nas antigas cerâmicas da Babilônia e da Assíria, milhares de anos antes de Cristo. A crença também floresceu no Novo Mundo, assim como no Antigo. Os peruanos pré-colombianos acreditavam numa classe de demônios chamados canchus ou pumapmicuc, os quais sugavam o sangue dos jovens adormecidos de modo a partilhar sua vida. Os astecas sacrificavam o coração dos prisioneiros ao sol, na crença de que seu sangue conservava a energia solar.

No começo da era cristã, o erudito Bhavabhuti escreveu contos clássicos indianos, inclusive 25 histórias de um vampiro que animava cadáveres e podia ser visto pendurado de cabeça para baixo numa árvore, como um morcego. O deus hindu Shiva partilha muitas semelhanças com os vampiros, tal como ser capaz de criar e de destruir ao mesmo tempo. A idéia de vampiro supõe o conceito oriental do eterno retorno, segundo o qual ninguém é realmente destruído, mas volta vezes sem fim em reencarnações.

 

Os vampiros tiram o sangue dos viventes, mas se misturam o seu sangue ao de sua vítima essa pessoa setorna um morto-vivo, sobrevivendo à morte comum. A prova de que os vampiros foram considerados essencialmente femininos, sem órgãos masculinos, vem de Santo Agostinho e dos primeiros padres da Igreja. Agostinho escreveu que os demônios tinham” imortalidade corporal e paixões como seres humanos”, mas não podiam produzir sêmen. Em vez disso, eles juntavam sêmens dos corpos de homens reais e os injetavam em mulheres adormecidas para engravidá-las. São Clemente testemunha que os demônios têm paixões humanas mas “não órgãos, assim eles se voltam para os humanos para usar seus órgãos. Uma vez exercendo o controle desses órgãos, podem obter o que querem”.

Durante o século 18, um vampiro famoso chamado Peter Poglojowitz surgiu em uma pequena aldeia da Hungria. Após sua morte, em 1725, seu corpo foi desenterrado. Encon traram sangue fresco escorrendo de sua boca e seu corpo não aparentava os sinais de rigor mortis ou de decomposição. Assim, os camponeses locais imaginaram que se tratava de um vampiro e queimaram o corpo.

Os ortodoxos cristãos que em 1725, seu corpo foi desenterrado.

Em 1732, o caso do vampiro sérvio Arnold Paole, de Medvegia, estimulou a pesquisa científica do século 18 sobre vampiros. Em pleno ápice do racionalismo, em 1751, um erudito dominicano, Augustin Calmet, escreveu um tratado sobre vampiros na Hungria e na Morávia. As crenças em vampiros são particularmente fortes hoje no sudeste da Europa, especialmente entre os modernos gregos. A ilha sulina das Cíclades, em Santorini, é considerada maldita pelos vampiros que tem.

Muitos autores notaram esse fenômeno desde o século XVII. De fato, se um vampiro suspeito era descoberto na Grécia continental, embarcavam seu corpo em navio para Santorini, porque o povo lá tinha uma longa tradição e uma vasta experiência a respeito de vampiros. Um velho dito grego fala em “trazer vampiros para Santorini”.

As práticas ortodoxas de excomunhão reforçam a crença nos vampiros. Quando os padres ou bispos ortodoxos cristãos expedem uma ordem de excomunhão, acrescentam a maldição “e a terra não receberá seu corpo” Isso significa que o corpo da pessoa excomungada permanecerá “incorrupto e inteiro”. A alma não descansará em paz. Nesse caso, a não-decomposição do corpo é um aviso do mal. Os ortodoxos cristãos que se couverteram ao catolicismo romano ou ao islamismo são condenados a vagar pela terra e a não entrar no céu. É importante lembrar nesse contexto que o Drácula histórico, tendo se convertido ao catolicismo próximo ao fim de sua vida, “abandonou a luz da ortodoxia” e “aceitou a escuridão” da heresia, e a partir daí candidatou-se a se tornar um morto-vivo, um vampiro.

Os romenos em particular têm muitos nomes para uma grande variedade de vampiros. Por exemplo, o termo mais comum, strigoi (na sua forma feminina é strigoaica), é uma criatura demoníaca que dorme durante as horas do dia, voa à noite e pode tomar a forma animal de um lobo, um cão ou um pássaro, e chupa o sangue de crianças adormecidas. A fêmea é mais perigosa que o macho. Ela pode também destruir casamentos e colheitas, impedir vacas de darem leite e mesmo provocar doenças fatais e a morte. O pricolici romeno é um vampiro que pode aparecer nas formas humana, de cachorro e de lobo. Entre os romenos, os vampiros são sempre o mal, sua jornada para o outro mundo foi interrompida e eles são condenados a vagar entre os vivos por um tempo.

Na Transilvânia, o alho é a arma poderosa para deter vampiros. As janelas e as portas são ungidas com alho para mantê-los a distância. Além disso, animais de criação, especialmente ovelhas, são esfregados com alho, pois os vampiros podem atacá-los as sim como fazem com os humanos.

A tumba de um vampiro pode ser identificada por buracos em torno do sepulcro bastante grandes para que uma serpente possa passar por eles. Para impedir que o vampiro saia de sua sepultura, esses buracos devem ser enchidos com água. Os espinhos das rosas selvagens são garantidos para manter vampiros a distância. Sementes de papoula são espalhadas no caminho do cemitério para a cidade porque os vampiros são contadores compulsivos e não conseguem deixar de querer catá-las. Essa prática pode impedir o vampiro de chegar à aldeia antes do raiar do dia, hora em que ele deve voltar ao seu caixão.

O modo definitivo de destruir um vampiro é dirigir ao seu coração uma estaca que deve atravessá-lo, ou ao seu umbigo, enquanto é dia claro e o vampiro precisa repousar no caixão. A estaca deve ser feita de oliveira ou de álamo. Em algumas regiões da Transilvânia, barras de ferro de preferência aquecidas ao rubro – são usadas. Como garantia adicional, o corpo do vampiro é queimado. Às vezes um abeto é enterrado no corpo do vampiro para mantê-lo na sua sepultura. Uma derivação disso é o pé de abeto como ornamento, encontrado hoje sobre os túmulos na Romênia.

Muitos romenos acreditam que a vida após a morte será bastante parecida com a vida na Terra. Como não há muita fé num mundo puramente espiritual, parece razoável que após a morte o vampiro possa andar pela Terra do mesmo modo que uma pessoa viva. Os mortos ambulantes não são sempre vampiros, no entanto. De fato, o termo romeno para morto-vivo, moroi, é mais comum do que o termo para vampiro ou sugador de sangue, strigoi, mas ambos são mortos do mesmo modo. Os strigois são literalmente pássaros demoníacos da noite; eles só voam após o pôr-do-sol, comem carne humana e bebem sangue.

A crença em mortos ambulantes e vampiros bebedores de sangue talvez nunca desapareça. Foi só no século passado 1823, para ser exato , que a Inglaterra pôs fora da lei a prática de enterrar estacas no coração dos suicidas. Hoje é na Transilvânia que a lenda dos vampiros tem seu apelo mais forte.

Na Europa Oriental diz-se que os vampiros têm dois corações ou duas almas. Uma vez que um desses corações ou uma dessas almas nunca morre, o vampiro permanece um morto-vivo.

Quem pode tornar-se um vampiro? Na Transilvânia, criminosos, bastardos, feiticeiras, mágicos, pessoas excomungadas, os que nascem com dentes, com âmnio (ou membrana na cabeça) e crianças não batizadas podem tornar-se vampiros. O sétimo filho de um sétimo filho está condenado a se tornar vampiro.

Como se pode descobrir um vampiro? Toda pessoa que não come alho ou que manifesta uma clara aversão ao alho é suspeita.

Os vampiros às vezes atacam os mudos. Podem roubar a beleza ou a energia de alguém, ou ainda leite de mães que amamentam.

 

Os camponeses consideram o alho uma planta medicinal. Eles o comem para curar o resfriado comum e várias enfermidades. Tudo que afasta as doenças é considerado bom ou magia “branca”, de onde se conclui que o alho pode afugentar os demônios, o lobisomem e os vampiros.

Na Romênia, os camponeses acreditam que os vampiros e outros espectros encontram-se na véspera do dia de Santo André, num lugar onde o cuco não canta e o cachorro não ladra.

Os vampiros têm medo da luz, e por isso é necessário fazer um bom fogo para afastálos, assim como tochas devem iluminar o exterior das casas.

Mesmo se você se tranca na sua casa, não está a salvo dos vampiros, uma vez que eles podem entrar pelas chaminés e pelo buraco da fechadura. Assim, deve-se esfregar a chaminé e as fechaduras com alho, assim como as janelas e portas. Os animais de criação devem ser também esfregados com alho para sua proteção.

Cruzes feitas de espinhos de rosas selvagens são eficazes para manter longe os vampiros.

Os corpos são exumados entre três e sete anos após o sepultamento; se a decomposição não é completa, uma estaca deve ser cravada no coração.

Se um gato ou outro animal demoníaco salta ou voa sobre o corpo antes que ele seja enterrado, ou se a sombra de um homem passa sobre o cadáver, o falecido pode ser um vampiro.

Se o corpo do morto é refletido no espelho, o reflexo ajuda o espírito a deixar esse corpo e a se tornar um vampiro.

No folclore húngaro, uma das maneiras mais comuns de identificar um vampiro era escolher uma criança jovem bastante para ser virgem e sentá-la num cavalo de cor homogênea que também fosse virgem e nunca tivesse tropeçado. O cavalo era levado ao cemitério e solto entre as sepulturas. Se ele se recusasse a passar sobre um túmulo, ali poderia estar um vampiro.

É comum o túmulo de um vampiro ter um ou mais buracos pelos quais possa passar uma serpente.

Como matar um vampiro? A estaca, feita de uma roseira selvagem, álamo ou abeto, ou de ferro em brasa, deve ser dirigida para o coração do vampiro, a fim de mantê-lo preso no seu túmulo. 0 corpo do vampiro será então queimado, ou enterrado novamente numa encruzilhada.

Se um vampiro não é encontrado ou é considerado inofensivo, ele primeiro matará todos os membros mais próximos da sua família. Depois se voltará para os outros habitantes da aldeia e os animais.

O vampiro não pode se distanciar de sua sepultura, uma vez que deve retornar para ela antes do raiar do dia.

Se não for localizado, o vampiro pode subir ao campanário de uma igreja e recitar ali os nomes dos habitantes do lugar, que morrerão instantaneamente, ou em algumas regiões o vampiro tocará um dobre de finados e todos que o ouvirem morrerão na hora.

Se o vampiro continua despercebido por sete anos, pode viajar para outro país ou a um lugar onde outra língua é falada e tornarse humano outra vez. Ele ou ela pode se casar e ter filhos, mas todos se tornarão vampiros quando morrerem.

Os romenos cortam as solas dos pés ou amarram juntos as pernas e os joelhos dos suspeitos, para tentar impedilos de caminhar.

Alguns enterram corpos com foices em torno dos pescoços, de modo que, tentando sair, o vampiro corte fora sua própria cabeça.

Por ser uma liga pura, acredita-se que a prata tem o poder de barrar vampiros, assim como lobisomens. Por isso, as cruzes e os ícones são em geral feitos de prata.

Os camponeses do século 5 consideravam Vlad Tepes um vampiro? Quando interrogados sobre as crenças correntes, os camponeses residentes na região em torno do Castelo Drácula revelaram que há uma ligação entre Vlad Tepes e o vampiro do seu folclore. Os camponeses nada sabem do Drácula de Stoker. Os mais velhos, no entanto, acreditam piamente em vampiros e mortos-vivos.

À medida que nossa cultura se tornou mais urbana, um preconceito contra a superstição dos camponeses também cresceu. Isso é refletido no nosso uso da palavra “urbano” para descrever alguma coisa positiva, aberta e racional, e a palavra “provinciano” para designar alguma coisa primitiva, estreita e ignorante. Há uma tendência a ver a cultura camponesa como primária e não-científica. Até Karl Marx afirmou que o capitalismo pelo menos havia salvo a maioria da população da “idiotice da vida rural”.

Por fim nem todas as crenças do homem moderno ocidental são lógicas e científicas. As atitudes em relação à morte e à vida foram sempre complexas para todos os homens, abrangendo ódio e amor, atração e repulsa, esperança e medo. A crença em vampiros é um modo poético e imaginativo de olhar a morte e a vida depois dela.

Bibliografia: Em busca do Vampiro – A Bliblia Sagrada

Fonte: gothznewz.com.br


Vlad Tepes ainda pode estar entre nós ?

Posted in História, Pesquisas on 22/01/2011 by Victtor

No túmulo do príncipe da Valáquia Vlad Tepes, que viveu no século XV e inspirou o escritor irlandês Bram Stocker em seu livro “Drácula”, só foram encontrados ossos de cavalo, afirma o historiador Nicolae Serbanescu em seu livro “História do Monastério Snagov”. O autor relata que o príncipe -famoso pelas guerras contra os turcos e também por sua crueldade- morreu assassinado em l476 aos 45 anos e foi enterrado às escondidas pelos monges na igreja do monastério Snagov (construída no século XIV), cidade na qual será construído o parque turístico Draculândia. Pouco tempo antes de Stocker publicar seu livreo sobre o conde-vampiro, o túmulo de Vlad foi profanado em l875 e seus ossos foram enterrados em outro lugar que ainda não foi descoberto. Naquela época, o máximo hierarca da igreja cristã ortodoxa, o patriarca Filaret, tinha ordenado que fosse apagada a inscrição da pedra sepulcral de Vlad Tepes considerado um criminoso. O príncipe costumava aplicar aos ladrões, a outros infratores, aos prisioneiros turcos e aos seus inimigos políticos o suplício do pau que consistia em empalar, ou seja, atravessar com uma estaca o corpo do condenado do cóccix até a nuca. Os historiadores Nicolae Iorga e Dinu Rosetti, que realizaram escavações no túmulo de Vlad em l933, encontraram apenas ossos de cavalo e um anel com as armas de Valáquia, que se supõe pertenceu ao príncipe, indica Serbanescu em seu livro.

( fonte:  Agência EFE )

 

 

Johnny Depp será vampiro gótico em seu próximo filme

Posted in Filmes, Notícias on 18/01/2011 by Victtor

Johnny DeppTim Burton repetirão a parceria em mais um projeto. “Dark Shadows” .

As filmagens terão início em abril de 2011, a história é baseada em uma série de TV dos anos 60, onde Deep interpreta um vampiro que vive em uma mansão à procura de seu amor perdido.