Archive for the Pesquisas Category

Vampirismo Universal

Posted in Pesquisas on 29/01/2011 by Victtor

A crença em vampiros nasceu milênios de anos atrás, quando o homem descobriu que o sangue é a fonte da vida, e se espalhou pelo mundo todo. Em muitos lugares, como na Romênia – pátria de Drácula, ela sobrevive ainda hoje.

O significado do vampirismo perde-se muito longe no passado, desde que o caçador primitivo descobriu que, Juntamente com o sangue que sai de um animal, ou de um outro homem, a vida também escapa e se extingue. O sangue é a fonte da vitalidade. Por isso, os homens se besuntaram a si mesmos de sangue, e às vezes o beberam. Foi assim que a idéia de beber sangue para renovar a vitalidade entrou na historia. Para o vampiro, na verdade, “o sangue é a vida” – como citou Drácula, e ainda em Deuteronômio 12:36, embora a passagem bíblica real seja uma advertência contra beber sangue. (“Tão somente o sangue não comereis; sobre a terra derramarei como água”) Outra passagem da Biblia onde cita a advertência esta em Gêneses 9:4 (“A carne porem, com sua vida, isto é com seu sangue, não comeris”)

A crença em vampiros é universal. Ela é documentada na antiga Babilônia, no Egito, em Roma, na Grécia e na China. Os relatos sobre vampiros existem em civilizações completamente separadas, entre as quais, quais quer influências diretas foram impossíveis. O vampiro é conhecido por vários nomes – vrykolakes, brykilakas, barbarlakos, borborlakos ou bourdoulakos em grego moderno; katakhanoso ou baital em sânscrito antigo: upiry em russo; upiory em polonês; blutsäuger em alemão; etc. Os chineses antigos temiam o giang shi, um demônio que bebia sangue. Na China, os vampiros já existiam em 600 a.C. Descrições de vampiros são encontradas nas antigas cerâmicas da Babilônia e da Assíria, milhares de anos antes de Cristo. A crença também floresceu no Novo Mundo, assim como no Antigo. Os peruanos pré-colombianos acreditavam numa classe de demônios chamados canchus ou pumapmicuc, os quais sugavam o sangue dos jovens adormecidos de modo a partilhar sua vida. Os astecas sacrificavam o coração dos prisioneiros ao sol, na crença de que seu sangue conservava a energia solar.

No começo da era cristã, o erudito Bhavabhuti escreveu contos clássicos indianos, inclusive 25 histórias de um vampiro que animava cadáveres e podia ser visto pendurado de cabeça para baixo numa árvore, como um morcego. O deus hindu Shiva partilha muitas semelhanças com os vampiros, tal como ser capaz de criar e de destruir ao mesmo tempo. A idéia de vampiro supõe o conceito oriental do eterno retorno, segundo o qual ninguém é realmente destruído, mas volta vezes sem fim em reencarnações.

 

Os vampiros tiram o sangue dos viventes, mas se misturam o seu sangue ao de sua vítima essa pessoa setorna um morto-vivo, sobrevivendo à morte comum. A prova de que os vampiros foram considerados essencialmente femininos, sem órgãos masculinos, vem de Santo Agostinho e dos primeiros padres da Igreja. Agostinho escreveu que os demônios tinham” imortalidade corporal e paixões como seres humanos”, mas não podiam produzir sêmen. Em vez disso, eles juntavam sêmens dos corpos de homens reais e os injetavam em mulheres adormecidas para engravidá-las. São Clemente testemunha que os demônios têm paixões humanas mas “não órgãos, assim eles se voltam para os humanos para usar seus órgãos. Uma vez exercendo o controle desses órgãos, podem obter o que querem”.

Durante o século 18, um vampiro famoso chamado Peter Poglojowitz surgiu em uma pequena aldeia da Hungria. Após sua morte, em 1725, seu corpo foi desenterrado. Encon traram sangue fresco escorrendo de sua boca e seu corpo não aparentava os sinais de rigor mortis ou de decomposição. Assim, os camponeses locais imaginaram que se tratava de um vampiro e queimaram o corpo.

Os ortodoxos cristãos que em 1725, seu corpo foi desenterrado.

Em 1732, o caso do vampiro sérvio Arnold Paole, de Medvegia, estimulou a pesquisa científica do século 18 sobre vampiros. Em pleno ápice do racionalismo, em 1751, um erudito dominicano, Augustin Calmet, escreveu um tratado sobre vampiros na Hungria e na Morávia. As crenças em vampiros são particularmente fortes hoje no sudeste da Europa, especialmente entre os modernos gregos. A ilha sulina das Cíclades, em Santorini, é considerada maldita pelos vampiros que tem.

Muitos autores notaram esse fenômeno desde o século XVII. De fato, se um vampiro suspeito era descoberto na Grécia continental, embarcavam seu corpo em navio para Santorini, porque o povo lá tinha uma longa tradição e uma vasta experiência a respeito de vampiros. Um velho dito grego fala em “trazer vampiros para Santorini”.

As práticas ortodoxas de excomunhão reforçam a crença nos vampiros. Quando os padres ou bispos ortodoxos cristãos expedem uma ordem de excomunhão, acrescentam a maldição “e a terra não receberá seu corpo” Isso significa que o corpo da pessoa excomungada permanecerá “incorrupto e inteiro”. A alma não descansará em paz. Nesse caso, a não-decomposição do corpo é um aviso do mal. Os ortodoxos cristãos que se couverteram ao catolicismo romano ou ao islamismo são condenados a vagar pela terra e a não entrar no céu. É importante lembrar nesse contexto que o Drácula histórico, tendo se convertido ao catolicismo próximo ao fim de sua vida, “abandonou a luz da ortodoxia” e “aceitou a escuridão” da heresia, e a partir daí candidatou-se a se tornar um morto-vivo, um vampiro.

Os romenos em particular têm muitos nomes para uma grande variedade de vampiros. Por exemplo, o termo mais comum, strigoi (na sua forma feminina é strigoaica), é uma criatura demoníaca que dorme durante as horas do dia, voa à noite e pode tomar a forma animal de um lobo, um cão ou um pássaro, e chupa o sangue de crianças adormecidas. A fêmea é mais perigosa que o macho. Ela pode também destruir casamentos e colheitas, impedir vacas de darem leite e mesmo provocar doenças fatais e a morte. O pricolici romeno é um vampiro que pode aparecer nas formas humana, de cachorro e de lobo. Entre os romenos, os vampiros são sempre o mal, sua jornada para o outro mundo foi interrompida e eles são condenados a vagar entre os vivos por um tempo.

Na Transilvânia, o alho é a arma poderosa para deter vampiros. As janelas e as portas são ungidas com alho para mantê-los a distância. Além disso, animais de criação, especialmente ovelhas, são esfregados com alho, pois os vampiros podem atacá-los as sim como fazem com os humanos.

A tumba de um vampiro pode ser identificada por buracos em torno do sepulcro bastante grandes para que uma serpente possa passar por eles. Para impedir que o vampiro saia de sua sepultura, esses buracos devem ser enchidos com água. Os espinhos das rosas selvagens são garantidos para manter vampiros a distância. Sementes de papoula são espalhadas no caminho do cemitério para a cidade porque os vampiros são contadores compulsivos e não conseguem deixar de querer catá-las. Essa prática pode impedir o vampiro de chegar à aldeia antes do raiar do dia, hora em que ele deve voltar ao seu caixão.

O modo definitivo de destruir um vampiro é dirigir ao seu coração uma estaca que deve atravessá-lo, ou ao seu umbigo, enquanto é dia claro e o vampiro precisa repousar no caixão. A estaca deve ser feita de oliveira ou de álamo. Em algumas regiões da Transilvânia, barras de ferro de preferência aquecidas ao rubro – são usadas. Como garantia adicional, o corpo do vampiro é queimado. Às vezes um abeto é enterrado no corpo do vampiro para mantê-lo na sua sepultura. Uma derivação disso é o pé de abeto como ornamento, encontrado hoje sobre os túmulos na Romênia.

Muitos romenos acreditam que a vida após a morte será bastante parecida com a vida na Terra. Como não há muita fé num mundo puramente espiritual, parece razoável que após a morte o vampiro possa andar pela Terra do mesmo modo que uma pessoa viva. Os mortos ambulantes não são sempre vampiros, no entanto. De fato, o termo romeno para morto-vivo, moroi, é mais comum do que o termo para vampiro ou sugador de sangue, strigoi, mas ambos são mortos do mesmo modo. Os strigois são literalmente pássaros demoníacos da noite; eles só voam após o pôr-do-sol, comem carne humana e bebem sangue.

A crença em mortos ambulantes e vampiros bebedores de sangue talvez nunca desapareça. Foi só no século passado 1823, para ser exato , que a Inglaterra pôs fora da lei a prática de enterrar estacas no coração dos suicidas. Hoje é na Transilvânia que a lenda dos vampiros tem seu apelo mais forte.

Na Europa Oriental diz-se que os vampiros têm dois corações ou duas almas. Uma vez que um desses corações ou uma dessas almas nunca morre, o vampiro permanece um morto-vivo.

Quem pode tornar-se um vampiro? Na Transilvânia, criminosos, bastardos, feiticeiras, mágicos, pessoas excomungadas, os que nascem com dentes, com âmnio (ou membrana na cabeça) e crianças não batizadas podem tornar-se vampiros. O sétimo filho de um sétimo filho está condenado a se tornar vampiro.

Como se pode descobrir um vampiro? Toda pessoa que não come alho ou que manifesta uma clara aversão ao alho é suspeita.

Os vampiros às vezes atacam os mudos. Podem roubar a beleza ou a energia de alguém, ou ainda leite de mães que amamentam.

 

Os camponeses consideram o alho uma planta medicinal. Eles o comem para curar o resfriado comum e várias enfermidades. Tudo que afasta as doenças é considerado bom ou magia “branca”, de onde se conclui que o alho pode afugentar os demônios, o lobisomem e os vampiros.

Na Romênia, os camponeses acreditam que os vampiros e outros espectros encontram-se na véspera do dia de Santo André, num lugar onde o cuco não canta e o cachorro não ladra.

Os vampiros têm medo da luz, e por isso é necessário fazer um bom fogo para afastálos, assim como tochas devem iluminar o exterior das casas.

Mesmo se você se tranca na sua casa, não está a salvo dos vampiros, uma vez que eles podem entrar pelas chaminés e pelo buraco da fechadura. Assim, deve-se esfregar a chaminé e as fechaduras com alho, assim como as janelas e portas. Os animais de criação devem ser também esfregados com alho para sua proteção.

Cruzes feitas de espinhos de rosas selvagens são eficazes para manter longe os vampiros.

Os corpos são exumados entre três e sete anos após o sepultamento; se a decomposição não é completa, uma estaca deve ser cravada no coração.

Se um gato ou outro animal demoníaco salta ou voa sobre o corpo antes que ele seja enterrado, ou se a sombra de um homem passa sobre o cadáver, o falecido pode ser um vampiro.

Se o corpo do morto é refletido no espelho, o reflexo ajuda o espírito a deixar esse corpo e a se tornar um vampiro.

No folclore húngaro, uma das maneiras mais comuns de identificar um vampiro era escolher uma criança jovem bastante para ser virgem e sentá-la num cavalo de cor homogênea que também fosse virgem e nunca tivesse tropeçado. O cavalo era levado ao cemitério e solto entre as sepulturas. Se ele se recusasse a passar sobre um túmulo, ali poderia estar um vampiro.

É comum o túmulo de um vampiro ter um ou mais buracos pelos quais possa passar uma serpente.

Como matar um vampiro? A estaca, feita de uma roseira selvagem, álamo ou abeto, ou de ferro em brasa, deve ser dirigida para o coração do vampiro, a fim de mantê-lo preso no seu túmulo. 0 corpo do vampiro será então queimado, ou enterrado novamente numa encruzilhada.

Se um vampiro não é encontrado ou é considerado inofensivo, ele primeiro matará todos os membros mais próximos da sua família. Depois se voltará para os outros habitantes da aldeia e os animais.

O vampiro não pode se distanciar de sua sepultura, uma vez que deve retornar para ela antes do raiar do dia.

Se não for localizado, o vampiro pode subir ao campanário de uma igreja e recitar ali os nomes dos habitantes do lugar, que morrerão instantaneamente, ou em algumas regiões o vampiro tocará um dobre de finados e todos que o ouvirem morrerão na hora.

Se o vampiro continua despercebido por sete anos, pode viajar para outro país ou a um lugar onde outra língua é falada e tornarse humano outra vez. Ele ou ela pode se casar e ter filhos, mas todos se tornarão vampiros quando morrerem.

Os romenos cortam as solas dos pés ou amarram juntos as pernas e os joelhos dos suspeitos, para tentar impedilos de caminhar.

Alguns enterram corpos com foices em torno dos pescoços, de modo que, tentando sair, o vampiro corte fora sua própria cabeça.

Por ser uma liga pura, acredita-se que a prata tem o poder de barrar vampiros, assim como lobisomens. Por isso, as cruzes e os ícones são em geral feitos de prata.

Os camponeses do século 5 consideravam Vlad Tepes um vampiro? Quando interrogados sobre as crenças correntes, os camponeses residentes na região em torno do Castelo Drácula revelaram que há uma ligação entre Vlad Tepes e o vampiro do seu folclore. Os camponeses nada sabem do Drácula de Stoker. Os mais velhos, no entanto, acreditam piamente em vampiros e mortos-vivos.

À medida que nossa cultura se tornou mais urbana, um preconceito contra a superstição dos camponeses também cresceu. Isso é refletido no nosso uso da palavra “urbano” para descrever alguma coisa positiva, aberta e racional, e a palavra “provinciano” para designar alguma coisa primitiva, estreita e ignorante. Há uma tendência a ver a cultura camponesa como primária e não-científica. Até Karl Marx afirmou que o capitalismo pelo menos havia salvo a maioria da população da “idiotice da vida rural”.

Por fim nem todas as crenças do homem moderno ocidental são lógicas e científicas. As atitudes em relação à morte e à vida foram sempre complexas para todos os homens, abrangendo ódio e amor, atração e repulsa, esperança e medo. A crença em vampiros é um modo poético e imaginativo de olhar a morte e a vida depois dela.

Bibliografia: Em busca do Vampiro – A Bliblia Sagrada

Fonte: gothznewz.com.br


Vlad Tepes ainda pode estar entre nós ?

Posted in História, Pesquisas on 22/01/2011 by Victtor

No túmulo do príncipe da Valáquia Vlad Tepes, que viveu no século XV e inspirou o escritor irlandês Bram Stocker em seu livro “Drácula”, só foram encontrados ossos de cavalo, afirma o historiador Nicolae Serbanescu em seu livro “História do Monastério Snagov”. O autor relata que o príncipe -famoso pelas guerras contra os turcos e também por sua crueldade- morreu assassinado em l476 aos 45 anos e foi enterrado às escondidas pelos monges na igreja do monastério Snagov (construída no século XIV), cidade na qual será construído o parque turístico Draculândia. Pouco tempo antes de Stocker publicar seu livreo sobre o conde-vampiro, o túmulo de Vlad foi profanado em l875 e seus ossos foram enterrados em outro lugar que ainda não foi descoberto. Naquela época, o máximo hierarca da igreja cristã ortodoxa, o patriarca Filaret, tinha ordenado que fosse apagada a inscrição da pedra sepulcral de Vlad Tepes considerado um criminoso. O príncipe costumava aplicar aos ladrões, a outros infratores, aos prisioneiros turcos e aos seus inimigos políticos o suplício do pau que consistia em empalar, ou seja, atravessar com uma estaca o corpo do condenado do cóccix até a nuca. Os historiadores Nicolae Iorga e Dinu Rosetti, que realizaram escavações no túmulo de Vlad em l933, encontraram apenas ossos de cavalo e um anel com as armas de Valáquia, que se supõe pertenceu ao príncipe, indica Serbanescu em seu livro.

( fonte:  Agência EFE )

 

 

Conheça a Cronologia Vampírica

Posted in História, Pesquisas on 13/01/2011 by Victtor

Anos

1000 -

1047 – Surgimento da palavra “upir” (“vampiro”) num documento referindo um principe Russo chamado “Upir Lichy”.

1100 -

1190 – “De Nagis Curialium” de Walter Map inclui registros de seres parecidos com vampiros na Inglaterra.

1196 – “Chronicles” de William of Newburgh relata varias historias de vampiros na Inglaterra.

1400 -

1431 – Nasce Vlad Tepes, filho de Vlad Dracul.

1433 – Vlad Tepes torna-se Principe de Wallachia e muda-se para Tirgoviste.

1442 – Vlad Tepes e o seu pai são capturados e mantidos prisioneiros pelos Turcos.

1447 – Vlad Dracul é decapitado.

1448 – Vlad Tepes consegue por um breve período de tempo alcançar o trono de Wallachia. Destronado, Vlad vai para a Moldavia e                    ajuda o Príncipe Stefan.

1451 – Vlad e Stefan fogem para a Transylvania.

1455 – Constantinopla é derrubada.

1456 – John Hunyadi assiste Vlad Tepes a subir ao trono de Wallachia. Vladislav Dan é executado.

1458 – Matthias Corvinu sucede John Hunydai como Rei da Hungria.

1459 – Massacre da Páscoa. Reconstrução do Castelo do Drácula. É estabelecido o segundo centro governacional em Bucareste.

1460 – Ataque a Brasov, Romênia.

1461 – Campanha bem sucedida contra as tropas Turcas situadas ao longo do danubio. Retirada de verão para Tirgoviste.

1462 – Vlad foge para a Transylvania apos a batalha no Castelo do Dracula. Vlad fica 13 anos aprisionado.

1475 – Guerras de verão na Servia contra os turcos. Novembro: Vlad Tepes volta ao trono de Wallachia.

1476 -

1477 – Vlad Tepes é assassinado.

(fonte: pesquisa na internet)

Exorcismos, Orações e Esconjuros em Latim

Posted in Exorcismos, Pesquisas on 08/01/2011 by Victtor

 

Nas culturas egípcia, babilônica, assíria e judaica, atribuíam-se certas doenças e calamidades naturais à ação dos demônios. Para afastá-los, recorria-se a algum esconjuro ou exorcismo.

A cultura ocidental recebeu essas idéias através da Bíblia e do cristianismo primitivo.

No cristianismo, exorcismo (do grego exorkismós, “ato de fazer jurar”, pelo latim exorcismu)
é a cerimônia que visa esconjurar os espíritos maus, forçando-os a deixar os corpos possessos ou dominar sua influência sobre pessoas, objetos, situações ou lugares. Quando objetiva a expulsão de demônios, chama-se Exorcismo Solene e deve fazer-se de acordo com fórmulas consagradas, que incluem aspersão de água benta, imposição das mãos, conjurações, sinais da cruz, recitação de orações, salmos, cânticos, etc. Além disso, o ritual católico do exorcismo pode ser executado por sacerdotes somente quando são expressamente autorizados por bispos.

Possessões

Possessão é o estado ou condição em que o corpo e (ou) a mente de um indivíduo são supostamente possuídos ou dominados por uma entidade (um ser, força, ou divindade) que lhes é externa, ou que não se manifesta habitualmente nas atividades da vida diária. A possessão, considerada como experiência de natureza psicológica e social, pode ser verificada individual ou coletivamente, e ter caráter inesperado, ou estar submetida a algum tipo de controle ritual; em diversas sociedades e culturas, figura como episódio ou experiência central da vida religiosa. Podemos dividir, genericamente, as formas de possessão em quatro categorias:

Encosto: O espírito fica próximo à pessoa, mas a influência é pequena. Neste caso, banhos de água e sal ou orações como o Pai-Nosso ou o Credo, afastam este espírito inferior. Geralmente estes espíritos são de pessoas que desencarnaram e pertencem à família do possuído.

Espírito opressivo: O espírito tem a capacidade de “vampirizar” a energia do indivíduo. Os efeitos são sentidos como um cansaço ou vontade de chorar que podem cessar de um momento para outro. Indica-se neste caso, que se utilize um saquinho de cor vermelha, sempre junto ao corpo para neutralizar a presença deste espírito. Também os banho de água com sal, são benéficos neste caso. A leitura do salmo 23 é o mais indicado contra o espírito opressivo.

Obsessão: O espírito consegue ficar de maneira tão dominante no corpo astral do indivíduo que pode até mesmo mudar o modo de falar e fazer coisas que normalmente não faria no dia-a-dia. Chega até mesmo a não reconhecer parentes e pessoas próximas de seu convívio. É bom frisar que aqui no Brasil de acordo com o espiritismo ou nas religiões afro-brasileiras como a umbanda e candomblé, existem os fenômenos de possessão de espíritos doutrinadores e iluminados, trazendo ao médium apenas benefícios.

Possessão demoníaca: Neste caso, o espírito toma o corpo da pessoa, fazendo com que ocorram até fenômenos de “poltergeist” (conjunto de fenômenos produzidos espontaneamente, que consiste em ruídos e deslocamento de objetos, podendo ter duração indeterminada).

( fonte:  artigos extraídos do site:  www.spectrumgothic.com.br )


Conheça algumas orações  e exorcismos em latim


Exorcismo:

“Spiritus Dei ferebatur super aquas, et inspiravit in facien hominis spiraculus vitae. Sit Michael dux meus, et Sabtabiel servus meus in luce et per lucem. Fait verbum halitus meus; et imperabo spiritus aeris hujus, et refrenabo equos solis voluntate cordis meis, et cogitatione mentis mede et mutu oculi dextri. Exorciso igitur te, creatura aeris, per Pentagrammaton et in nomine Tetragrammaton, in quibus sunt voluntas firma et fides recta. Amen. Selah. Fiat.”

 

Oração:

“Caput mortuum imperet tibi Dominus per Adam lotchavah!

Aquila errans, imperet tibi Dominus tetragrammaton per Angelum et leonem!

Michael, Gabriel, Raphael, Anael!

Pluat udor per spiritu Elohimm. Maneat Terra per Adam, Jatchivah. Fiat Jadictum per ignem in virtude Michael”.

 

Oração:

Kyrie eleison.

Christie eleison.

Sancta Maria. Ora pro nobis.

Sancta Dei Genitrix. Ora pro nobis.

Sancta Virgo Virginum. Ora pro nobis.

Sancte Michael. Ora pro nobis.

Sancte Gabriel. Ora pro nobis.

Sancte Raphael. Ora pro nobis.

Omnes Sancti Angeli e Archangeli. Ora pro nobis.

Omnes Sancti Beatorum Spiritum Ordinis. Ora pro nobis.

Sancte Petre. Ora pro nobis.

Sancte Paule. Ora pro nobis.

Sancte Jacob. Ora pro nobis.

Sancte Joannes. Ora pro nobis.

Sancte Thomas. Ora pro nobis.

Sancte Philippe. Ora pro nobis.

Sancte Bartholomae. Ora pro nobis.

Sancte Simon. Ora pro nobis.

Sancte Thadeu. Ora pro nobis.

Sancte Mathie. Ora pro nobis.

Sancte Barnabé. Ora pro nobis.

Sancte Marce. Ora pro nobis.

Omnes Sancti Apostoli et Evangeliste. Ora pro nobis.

Omnes Sancti Discipulo Domini. Ora pro nobis.

Sancte Vicente. Ora pro nobis.

Sancte Laurente. Ora pro nobis.

Sancte Estephene. Ora pro nobis.

Sancte Fabiane e Sebastiane. Ora pro nobis.

Sancte Gervase et Protase. Ora pro nobis.

Omnes Sancti Martyres. Ora pro nobis.

Sancte Silvestre. Ora pro nobis.

Sancte Gregore. Ora pro nobis.

Sancte Ambrose. Ora pro nobis.

Sancte Agostino. Ora pro nobis.

Sancte Hieronyme. Ora pro nobis.

Sancte Nicolae. Ora pro nobis.

Sancte Martine. Ora pro nobis.

Sancte Bernarde. Ora pro nobis.

Omnes Sancti Pontifices et Confessores. Ora pro nobis.

Omnes Sancti Doctores. Ora pro nobis.

Sancte Benedicte. Ora pro nobis.

Omnes Sancti Monarchi et Eremitae. Ora pro nobis.

Omnes Sancti Sacerdotes et Levitae. Ora pro nobis.

Sancta Maria Madalena. Ora pro nobis.

Sancta Agatha. Ora pro nobis.

Sancta Lucia. Ora pro nobis.

Sancta Cecile. Ora pro nobis.

Sancta Catharina. Ora pro nobis.

Sancta Anastacia. Ora pro nobis.

Omnes Sancti Virgines et Vinduce. Ora pro nobis.

Omnes Sancti et Sancte Dei, Interdicedite. Ora pro nobis.

Proptius esto. Parce, Domine.

Ad omni pecat. Libera-nos.

 

(fonte: astrologosastrologia.com.pt)


Black Veil – O Verdadeiro Código de Ética dos Vampiros

Posted in Pesquisas on 31/12/2010 by Victtor

 

 

Black Veil = Véu Negro

ou

“Código de Ética

dos Vampiros”

 

 

The Black Veil – As 13 Regras da Comunidade

CRITÉRIO

Este estilo de vida é privado e sagrado. Respeite-a como tal. Seja discreto em que você revela a si mesmo, e tenha certeza de que seus motivos são realmente sobre nossa cultura e gerar conhecimento. De maneira nenhuma você deve conversar com outras pessoas sobre si mesmo e nossa comunidade, quando seus motivos são por motivos egoístas, tais como auto-promoção, o sensacionalismo, e que chamam a atenção.  Não se esconda de sua natureza, mas nunca mostrá-lo fora do que aqueles que não vão entender.

DIVERSIDADE

Nossos caminhos são muitos, mesmo que a jornada em que estamos é essencialmente o mesmo. Ninguém de nós tem todas as respostas para quem e o que somos. Respeito todos pontos de vista pessoais e práticas. Não podemos deixar diferenças insignificantes de ideologia nos impede de manter uma comunidade unida, há bastante que iria nos atacar de fora. Nossa diversidade é nossa força. Deixe as nossas diferenças de ponto de vista enriquecer-nos, mas nunca nos dividir sobre nós mesmos.

SEGURANÇA

Use o senso ao se viciar a sua natureza. Não ostente o que você está em lugares públicos. Feed em privado e ter certeza de seus doadores serão discretas sobre o que acontece entre vocês. Doadores que criam rumores e fofocam sobre nós são mais mal do que eles valem. Se você se envolver em derramamento de sangue, colocar a segurança ea cautela sobre todas as coisas. Doenças do sangue-nascidos são uma coisa muito real, e não podemos pôr em risco a nós mesmos ou aos outros através de irresponsabilidade. tela doadores cuidadosamente, certificando-se que eles estão de boa saúde tanto mental quanto fisicamente. Nunca exagerar ou ficar descuidado. A segurança de toda a comunidade repousa sobre o cuidado de cada membro.

CONTROLE

Nós não podemos e não devemos negar a escuridão dentro. Todavia, não devemos permitir que nos controlam. Se a nossa besta ou sombra ou darkside é dada muita oscilação, as nuvens que o nosso julgamento, nos tornando um perigo até mesmo para aqueles que amamos. Nunca entrar em violência sem sentido. Nunca traga dano voluntarioso para aqueles que sustentá-lo. Nunca forneça apenas por uma questão de alimentação, e nunca entregar a sede de sangue sem sentido. Nós não somos monstros: nós somos capazes de pensamento racional e auto-controle. Celebre a escuridão e deixá-lo capacitá-lo, mas nunca deixe escravizar a sua vontade.

ESTILO DE VIDA

Viva sua vida como um exemplo para outras pessoas da comunidade. Temos o privilégio de ser o que somos, mas o poder deveria ser acompanhada de responsabilidade e dignidade. Explorar e fazer uso de sua natureza de vampiro, mas mantê-lo em equilíbrio com as exigências do material. Lembre-se: nós podemos ser vampiros, mas ainda somos uma parte deste mundo. Devemos viver a vida como todo mundo aqui, mantendo os trabalhos, mantendo lares e ficar junto com os nossos vizinhos. Ser o que somos não é uma desculpa para não participar na sua realidade. Pelo contrário, é uma obrigação de torná-lo um lugar melhor para que sejamos.

FAMÍLIA

Estamos, todos nós, uma família, e como todas as famílias, vários membros nem sempre se dão bem. No entanto, o respeito a grande comunidade ao ter suas disputas. Não deixe que seus problemas individuais trazer conflitos emocionais para a família como um todo. Resolver as diferenças entre um e outro em silêncio, apenas buscando um ancião de ajuda na mediação quando não há outra solução parece possível. Nunca traga suas disputas privadas em locais públicos e nunca chamar outros membros da família em questão, forçando-os a tomar partido. Como qualquer família normal, devemos sempre fazer um esforço para apresentar um rosto estável e unificado com o resto do mundo, mesmo quando as coisas não são perfeitas entre nós.

PORTOS

Nossos portos estão safeplaces onde toda a comunidade pode vir a se socializar.Existem também muitas vezes nos locais públicos onde é provável encontrar pessoas que não compreende nossos costumes. Devemos respeitar os donos desses lugares como devemos também respeitar os proprietários dos estabelecimentos e ser sempre discreta em nosso comportamento. Nunca devemos trazer disputas privadas em um paraíso. Nunca devemos iniciar a violência em um paraíso. E nós nunca devemos fazer ou trazer nada de ilegal em um paraíso, pois isso reflete mal sobre a comunidade como um todo. O porto é o centro de toda a comunidade, e nós devemos respeitá-lo como tal, apoiando-a, sem negócio e trabalhar para melhorar o seu nome na cena de modo que sempre podemos chamá-lo de casa.

TERRITÓRIO

A comunidade é extensa e diversificada. Cada cidade tem uma maneira diferente de fazer as coisas, e uma hierarquia diferente da regra. Ao entrar em uma nova cidade, você deve se familiarizar com a comunidade local. Procure os paraísos local. Saiba que as famílias tenham influência aqui. Entre em contato com os principais membros da comunidade, saber quem é quem, e mostrar o devido respeito que é devido. Você não deve esperar para impor o seu jeito antigo de fazer as coisas sobre este novo cenário. Em vez disso, você deve adaptar-se às suas regras e ser feliz da sua aceitação. Sempre estar em seu melhor comportamento quando chegar a uma nova cidade ou para visitar ou se hospedar. Todos nós somos cautelosos e territoriais por natureza, e apenas fazendo a impressão mais positiva possível que você vai ser aceito e respeitado em uma nova comunidade.

RESPONSABILIDADE

Este estilo de vida não é para todos. Tome cuidado em quem você escolhe para levar para ele. Aqueles que são mentalmente ou emocionalmente instáveis não têm lugar entre nós. Eles são perigosos e incertos e podem nos trair no futuro. Certifique-se que aqueles que você escolher para trazer são maduros o suficiente para este fardo.Ensina-lhes o controle e discrição, e ter certeza de que eles respeitam os nossos caminhos. Você será responsável por suas ações e seu comportamento na comunidade será refletido de volta para você.

IDOSOS

Existem alguns membros de nossa comunidade que se estabeleceram como justa e responsável líderes. Estas são as pessoas que ajudaram a estabelecer comunidades locais, que organizam os paraísos fiscais, e que trabalham para coordenar a rede da cena. Embora a sua palavra não tem de ser lei, eles devem ser respeitados. Eles têm mais experiência do que muitos outros, e normalmente maior sabedoria. Procure estes anciões fora para resolver suas disputas, para lhe dar orientação e instrução, e para ajudá-lo a estabelecer-se na cena local. Apreciar os anciãos para todos os que lhe deram: se não fosse pela sua dedicação, a comunidade não existiria como é hoje.

DOADORES

Sem aqueles que se oferecem de corpo e alma para nós, não seria nada. Nós não podemos ser senão aquilo que somos, mas é os doadores que sustentam nossa natureza. Para este serviço, que deve ser respeitada. Nunca maltrate seus doadores, fisicamente ou emocionalmente. Eles não estão a ser manipulados ou leeched fora para mais do que eles oferecem gratuitamente. Nunca tome para concedido. Apreciá-los para a companhia e aceitação que eles nos oferecem, o que muitos outros recusariam. Isto acima de tudo: apreciar o dom da sua vida. Essa comunhão é sagrada. Nunca deixe de tratá-la como tal.

LIDERANÇA

Quando você opta por assumir uma posição de autoridade na comunidade, lembre-se que ele não vai levar para si mesmo sozinho. Liderança é uma responsabilidade, não um privilégio. Um bom líder deve servir de exemplo para todos através de suas ações e comportamento. Seus motivos devem ser desinteressado e puro, e ele deve colocar os interesses de toda a comunidade antes da sua própria. Os melhores líderes são aqueles que servem melhor a comunidade e cuja pessoa e comportamento não dá a ninguém – mesmo fora os da comunidade – um motivo para criticá-los.

IDEAIS

Ser um vampiro não é apenas sobre a alimentação sobre a vida. Isso é o que fazemos, mas não necessariamente o que somos. Ele é o nosso lugar para representar a escuridão em um mundo cego pela luz. Estamos prestes a ser diferente e aceitar a diferença como algo que nos fortalece e nos torna únicos. Estamos a cerca de aceitar a escuridão dentro de nós mesmos e abraçando a escuridão para nos tornar seres inteiros. Estamos sobre a comemoração dos limiares: corpo e espírito, o prazer ea dor, a morte ea vida. Nossa vida deve ser vivida como uma mensagem ao mundo sobre a beleza de aceitar a totalidade do eu, de viver sem culpa e sem vergonha, e celebrando a essência original e bonito de cada alma.

NOTA ESPECIAL: Além dos acima de 13 princípios, o foco central do Véu Negro é o respeito às leis do próprio governo local e da comunidade. O véu negro representa o respeito a não realizar quaisquer actividades criminosas ou illgeal e que os menores não participarão em qualquer dos assuntos da comunidade Sanguinarium até que sejam maiores de idade.

Informações sobre direitos autorais

O véu negro, também conhecido como o “13 Regras da Comunidade” foi composta pelo Padre Sebastião de Casa Sahjaza em 1997 e revisto Michelle Belanger da Casa kheperu na primavera de 2000. The Black Veil é o alicerce da comunidade Sanguinarium, já que estabelece uma norma comum senso, etiqueta. O original Black Veil foi composta em 1997 como um código de conduta para os donos da boate vampiro de longa duração “Long Black Veil”, em Nova York.

Open License

Embora protegido por direitos autorais em 1997 (e revisto em 2000 para seu estado atual) pelo padre Sebastião e Michelle Belanger, o véu negro é um texto aberto e licenciado disponíveis para reprodução no Sanguinarium não-comercial e vampira sites relacionados. Independentemente de sua finalidade, o véu negro não é ser alteradas ou modificadas de qualquer forma a partir desta edição aqui apresentada.

© Copyright 1995-2002 padre Sebastião e Michelle Belanger, todos os direitos reservados O Sanguinarium: The Black Veil 1.2.

 

Necroturismo: os cemitérios mais famosos do mundo

Posted in Pesquisas on 28/12/2010 by Victtor

A revista Forbes divulgou uma matéria com os cemitérios mais famosos do mundo. Confira:

Paris Tourist Office / Amèlie Dupont

O cemitério Père Lachaise, em Paris, abriga túmulos de personalidades, como o músico Jim Morrison

 

1.Cemitério Nacional de Arlington – Arlington, EUA
Fica na Virgínia, e é o mais conhecido e tradicional cemitério militar norte americano. Está localizado na área em frente a Washington D.C, do outro lado do rio Potomac, perto dos prédios do Pentágono, cortando a capital americana. A extensão da área é de 4000 m2, onde estão enterradas mais de 360 mil pessoas, em geral veteranos de cada uma das guerras travadas pelo país, desde a revolução americana até a atual Guerra do Iraque. Entre os túmulos está o do ex-presidente John F. Kennedy.

 

 

 

2.La Recoleta – Buenos Aires, Argentina
O Cemitério de Recoleta atrai muitos turistas que desejam visitar o túmulo de Eva Perón. Mas não somente. É de fato uma cidade de mortos, muitos deles ilustres. Desde 1822, hoje está situado em pleno centro, no senhorial bairro da Recoleta. Toda a estrutura do cemitério se compõe de ruas, avenidas e até praças. Tem muitas estátuas de mármore, criptas senhoriais, inclusive alguns sarcófagos abertos. Além de Evita, presidentes, atores, militares, outros ricos e famosos têm os seus túmulos nele. Na entrada do cemitério distribuem-se mapas, dado o seu tamanho.

 


3.Trinity Churchyard – Nova York, EUA

Composto por três cemitérios separados, associados à Igreja Trinity, em Manhattan. Nela está o cemitério de Intercessão, onde há duas placas de bronze comemorativas da Batalha de Fort Washington, um dos mais violentos combates da Guerra Revolucionária. Está listado nos Estados Unidos no Registro Nacional de Lugares Históricos, e também se trata do único cemitério que está na ativa em Manhattan.

 

 

 

4.Cemitério Boot Hill – Tombstone, Arizona, EUA
Boot Hill (ou Boothill) é o nome atribuído a cemitérios, fato muito comum no oeste americano. Durante o século 19 era um nome recorrido aos cemitérios de pistoleiros ou aqueles que tiveram alguma morte violenta. E o mais notável destes cemitérios é o que está localizado em Tombstone, no estado do Arizona. Nele estão os túmulos de Billy Clanton, Frank McLaury e McLaury Tom; são os três homens mortos durante tiroteio no famoso O.K.Corral. Das mais 300 pessoas, 205 estão registradas, já que um grande número de imigrantes chineses e judeus foram enterrados sem reconhecimento dos corpos.

 

 

5.Hollywood Forever – Hollywood, EUA
O Cemitério Hollywood Forever fica na Santa Monica Boulevard, em Hollywood, distrito de Los Angeles, na Califórnia. É adjacente à parede norte, e para trás, da Paramount Studios. O cemitério foi fundado em 1899, com 100 hectares, até então como Hollywood Memorial Park. No final do século 20 tornou-se degradado. À beira do encerramento, em um processo de falência, a empresa Tyler Cassity adquiriu, em 1998, seus 250 mil m2, renomeando-o “Hollywood Forever”, hoje recuperado. No local estão enterradas celebridades da indústria de entretenimento norte-americana.

 

6.Mt. Auburn – Cambridge, EUA
Baseado neste modelo do famoso cemitério francês, o cemitério de MT. Auburn foi o primeiro do tipo nos EUA, com o detalhe de ser muito arborizado, lembrando-se muito a um arboreto. Lá estão enterrados escritores e pensadores como Buckminster Fuller, Henry Wadsworth Longfellow, e BF Skinner, além dos habitantes de longa data.

 

 

 

 

7.Père Lachaise – Paris, França
É o cemitério mais famoso da França, e fica no vigésimo arrondissement da capital francesa. Nos seus 500 mil m2 estão túmulos famosos, como os de Oscar Wilde, Edith Piaf, Honoré de Balzac, Marcel Proust, Alice B. Toklas, Richard Wright, e, claro, Jim Morrison. A importância do cemitério de Paris se deve ao fato de que ele se tornou um marco desde o século 19 para a construção dos cemitérios modernos. Representa a transição entre o modelo de cemitério urbano, com jardins, para os cemitérios rurais.

 

 

 

 

8.Cemitério Old Jewish – Praga, República Tcheca
Trata-se de um cemitério judeu muito antigo, datado no século 15. Com aproximadamente 12 mil sepulturas, é o de maior número de defuntos por área quadrada. Sem espaço para enterrar seus mortos, os judeus se viram obrigados a sobrepor lápides umas às outras. Com os anos, acumularam-se doze camadas, e as lápides mais à superfície estão cobertas de musgos. Entre elas está a de nada menos que Kafka. O cemitério está relatado no livro do escritor irlandês John Banville, Praga Pictures: A Portrait of the City (Imagens de Praga: Um retrato da cidade), em que afirma ser um local de memória urbana, mas também um dos mais tristes e sinistros de Praga.

 

9.San Michele – Veneza, Itália
É o principal cemitério de Veneza. San Michele está situado numa ilha a poucos minutos da cidade pela via Vaparetto, e é apelidado de “ilha dos mortos”. É um lugar procurado por quem está atrás de reclusão, paz e tranquilidade, sobretudo quando a Praça de São Marcos recebe muitos turistas. Entre as lápides de pedras e os altos ciprestes estão os túmulos de Ezra Pound, Igor Stravinsky, e Joseph Brodsky.

 

 

[cemiterio06.jpg]

10.St. Louis – Nova Orleans, EUA
Fundado em 1789 nos arredores deste bairro de origem francesa, consiste de um modo diferente de se enterrar os falecidos. Cada um dos 100 mil mortos que ali foram sepultados adquiriram uma pequena casa, onde foram colocados os corpos. O cemitério fica a 8 quadras do rio Mississippi, no lado norte da Bacia. O cemitério ficou famoso quando apareceu no filme Easy Rider, do diretor Dennis Hopeer, em 1969. Desde então, tornou-se um dos mais emblemáticos dos EUA.

 

 

No Brasil
Aqui, em terras brasileiras, o Cemitério da Consolação, o mais antigo dos 22 em funcionamento na cidade de São Paulo, é o mais famoso. Foi inaugurado em 1858 e é morada eterna de muitas figuras célebres da história do País. Se nos seus inícios ele abrigava democraticamente gente de todas as cores e classes (do patrão ao escravo, todos iguais no final da vida), no início do século XX ele virou objeto de desejo dos mais ricos. Como efeito, ter uma parcela eterna aqui virou símbolo de prestígio, o que levou a uma subida dos preços e a um florescimento das esculturas suntuosas, produzidas por alguns dos artistas mais renomados da época.Por isso, hoje o passeio é considerado referência não apenas por necrófilos, mas também por amantes das artes -escultura e a chamada arte tumular.

( fonte:  vidaeestilo.terra.com.br e fotos pesquisadas na internet )

Conheça alguns Vampiros Reais

Posted in História, Pesquisas on 28/12/2010 by Victtor

VLAD III (1431-1476)

Nascido na região da Transilvânia, o príncipe Vlad III foi um guerreiro implacável. Na defesa do seu reino ele matou mais de 40 mil inimigos – boa parte foi empalada viva! Ele introduzia uma estaca no ânus da pessoa ainda viva, transpassando até o tórax. Por isso, ele recebeu o sobrenome de Drácula (filho do dragão). Foi ele que inspirou Bram Stoker a criar o personagem Conde Drácula.  (veja a história completa dele neste Blog)

 

ELIZABETH BATHORY (1560-1614)

Nascida na Eslováquia, a condessa Bathory era louca por sangue. Após a morte do marido, ela ficou maluca e passou a se banhar com sangue de jovens virgens para preservar sua juventude. Muitas vezes as vítimas eram espancadas e jogadas nuas na neve para congelar até a morte. Estima-se que ela sacrificou mais de 600 pessoas até ser condenada à prisão perpétua em 1610. Essa história até inspirou um filme: “A Condessa Drácula” em 1971. (veja a história completa dela neste Blog)

 

 

PETER PLOGOJOWITZ ( 1666-1728)

Esse caso foi um dos primeiros casos de vampirismo documentados. Aconteceu num pequeno vilarejo na Sérvia. Segundo relatos, após sua morte, Peter apareceu para o filho pedindo comida. Espantado, o seu filho negou o pedido e alguns dias depois o menino apareceu morto. Depois desse facto, no mesmo vilarejo, várias pessoas morreram com sinais de perda de sangue. Quando o corpo de Peter foi exumado, os olhos estavam abertos e tinha sangue fresco na boca. Até um jornal local relatou esse caso. Bastou isso para se crer que ele era um vampiro. Uma estaca foi cravada no seu peito e seu corpo foi queimado. Depois disso, não houve mais mortes por essa causa na região. (veja a história completa dele neste Blog)

 

HENRI BLOT (1886-?)

No dia 25 de março de 1886, o francês Henri Blot foi ao cemitério da sua cidade e violou o corpo de uma bailarina, morta no dia anterior. Três meses depois, fez sexo com um cadáver de outra jovem morta e bebeu seu sangue. Só que o maluco acabou dormindo ao lado da sepultura da menina e foi preso na manhã seguinte. Durante o julgamento, ele afirmou que precisava de sangue para viver. Foi condenado a apenas 2 anos de prisão por violação de sepultura e depois de cumprir a pena ele sumiu.

 

JOHN GEORGE HAIG (o Vampiro de Londres)

A biografia desse inglês é tão assustadora que ele ganhou até estátua no Museu de Cera. O problema começou na infância, quando ele mutilava os próprios dedos para beber o sangue. Aos 40 anos, foi condenado à forca por ter assassinado cruelmente nove pessoas. Ele cortava o pescoço das vítimas, bebia o sangue todo e derretia seus corpos numa tina de ácido. Na hora de sua execução, em 1949, ele gritou: “Deus, salve meu filho da maldição do Drácula!”.

 

PETER KÜRTEN (O Vampiro Alemão)

Este serial killer sentia um enorme prazer quando via o sangue jorrando do corpo das vítimas, geralmente crianças. Ele estuprava e esfaqueava até atingir o orgasmo. Portador de uma patologia denominada hematomania, também costumava beber o sangue das suas vítimas. Depois de vários assassinatos, foi preso e condenado à morte por decapitação, aos 48 anos.A sua história serviu de inspiração para o director Fritz fazer o filme “M”.

 

fonte:  fotos pesquisadas na internet e no site portugalparanormal

Cultura Obscura

Posted in Pesquisas on 24/12/2010 by Victtor

Não é possível encontrar uma definição precisa, estética ou visual, sobre a Cultura Obscura. Isto porque, suas manifestações não se apegam a bases pré-estabelecidas. Mas podemos definir alguns tópicos comuns. Por exemplo, se compreendermos que a Literatura Romântica resgata elementos medievais, sejam positivos ou negativos, podemos também associar as ambientações das obras românticas (principalmente no Gothic Novel), à estética contemplada na Cultura Obscura.

Dessa forma, mais uma vez busca-se uma base no Romantismo e, conseqüentemente, no período medieval. Mas este conceito não pode ser considerado um padrão ou a totalidade do alicerce criativo. Há outros pontos essenciais e a estética sombria se conjuga com outras manifestações.

O conceito da beleza lúgubre e decadente não é compreendido nem aceito por outros segmentos que exploram a estilística superficial. Ao observar a palidez lânguida e soturna de uma figura feminina, com sua ousadia e ingenuidade intrínsecas, perceberemos outro fator que compõe a estética obscura. Há também um forte teor de erotismo, porém, raramente é o ponto principal da obra.

Nos cemitérios, uma lápide abandonada e corroída pela ação do tempo, ou as esculturas sacras que adornam os túmulos exalam uma melancolia intensa. A face e o semblante triste das imagens angelicais combinam-se com a paisagem decadente, e propiciam um cenário dotado de uma beleza casta e sã, absorvida apenas por aqueles de essência obscura e intimista.

Assim como no Romantismo, a religiosidade e o misticismo são características significativas. A dualidade entre bem e mal, entre paganismo e cristianismo e o conflito do ego humano, entrelaçam-se com personagens mitológicos e com o folclore de diversas culturas.

Na estética obscura, as emoções humanas são figuradas e personificadas. Anjos e demônios convivem como nas ilustrações de William Blake. A melancolia pode estar presente nas obras do simbolista francês Puvis de Chavannes, e o terror pode ser encontrado em Nosferatu, nas películas do expressionismo alemão. Vê-se ironia e macabrismo no cinema de Tim Burton. Sombras urbanas emergem na lendária Gotham City. Castelos e catedrais, gárgulas e quimeras coexistem na Arte Digital.

Portanto, definições estéticas da Cultura Obscura podem ser aparentemente antagônicas. Mas sob os olhos subjetivos do observador, surgem as semelhanças. A combinação de certos elementos compõe uma obra, um ambiente ou uma paisagem impregnada de lirismo obscuro, que todos podem ver, mas poucos compreenderão.      ( fonte: http://www.spectrumgothic.com.br )

Um poderoso Ritual Vampírico

Posted in Pesquisas on 22/12/2010 by Victtor

Sobre o Conhecimento

Aleister Crowley logo reconheceu o poder subjacente ao sangue e ao arquétipo do Vampiro, tanto em sua forma evolutiva quanto antievolutiva (Black Brothers). Suas descobertas mágicas, em especial o Livro da Lei, influenciaram inúmeras ordens mágicas, em especial a O.T.O., Ordo Templi Orientis, que estuda o saber Arcano nas suas mais diversas formas, inclusive na do Vampirismo.

 

Iniciando o Ritual   – A Sombra do Vampiro +

O magista passará alguns dias passeando em um cemitério, preferencialmente meditando, entrando em níveis mentais mais sutis na própria necrópole. Lentamente, ele vai entrando no espírito do lugar, sentindo a morte, os corpos putrefados, os espectros dos mortos, às vezes suas dores, angústias e alegrias de quando estavam vivos. Desse fervilhar infernal ele deve se tornar um observador; nem ser um membro desse festim, nem um antagonista. Escutar a voz negra que brota de seu coração, a sombra, o seu demônio guardião — ele será o mestre desta operação. Essa comunhão infernal pode abrir as portas do limiar entre a vida e a morte. Cabe aqui uma análise, ou um conselho: este é um estágio da jornada, muitos podem querer fazer aqui sua morada, o que poderá ser um erro. Obsessão, loucura e morte podem ser advindas pelo mau uso dessas energias; a fixação demasiada nelas é nociva. O magista deve sempre testar qualquer ser que se apresentar. A forma fica ao seu bom senso, a tradição recomenda as correspondências da cabala, priorizando acima de tudo na realidade física. As experiências mágicas mais verdadeiras sempre se fizeram acompanhar de manifestações físicas, as mais variadas, a que Jung chamou de sincronicidade. Sua operação mágica deve causar mudanças sutis, mas palpáveis, sons, pessoas tendo sonhos com o que você fez, objetos ou símbolos que lhe surgem ou são destruídos, enfim, uma gama infinita. Mais uma vez o bom senso é a chave, pois chover é normal, mas dez minutos após você fazer um sigilo para chuva (em um dia de sol), é algo diferente. Isso foi feito por Austin Osman Spare, e com testemunhas. Voltando aos preparativos do ritual, este contato com a sombra pode ser mais ou menos efetivo, mas uma coisa é certa: como o Sol está nos céus, ele estará presente na sua operação. Magia é ciência e arte, e todo magista terá um resultado único.

O contato da Sombra do Vampiro ocorrendo ou não, a invocação abaixo poderá ser feita:

A Invocação

Ó ser imemorável, que habita as profundezas de meu ser, espectro negro, sombra da luz, reflexo de meu anjo.

Verso e reverso do Universo, anjo que guarda o sagrado.

Eu o invoco.

O magista sente cada palavra e o influxo de poder do chamado. Depois, o magista proferirá:

Zazaz, Zazaz, Nasatanada Zazaz.

Nesse momento, ele imagina um pórtico se abrindo. Após breves minutos, pronuncia:

C siatris insi cnila, cnila, cnila, odo cicle qaa.

Após a pronúncia, ele anda até o norte e imagina fortemente o deus Seth, respira e juntamente com a entrada do alento o deus o penetra. Ele imagina-se sendo o deus Seth. Então se volta para o sul e diz:

Invoco-te, tu que és eterna na noite, Amor e horror,

O colo aconchegante e o leito da morte.

Leite e veneno,

O fogo, a terra, o ar e a água,

O tudo e o nada.

Te invoco com o sangue que está em minhas veias,

com a vida que me deste, com a morte que me espera e a chama eterna do meu ser…

Do sul surge uma deusa, que lembra Kali, Lilith, e o nome da deusa é Babalon.

A visão é de uma mulher bela e sensual, mas de aspecto poderoso e sagrado inspirando medo e respeito.

Ela permanece imóvel no sul.

Ele anda até o centro e golpeia o ar com força dizendo:

0 moribundo está morto agora, de seu corpo um novo universo é feito.

Ele enche o peito de ar e ao soltar o deus Seth se vai, e com ele a deusa. Após isso o vazio, a sensação de vazio deve ser sentida ao máximo. Nesse vazio brotará uma nova consciência.

Atenção: Práticas como esta e a Missa da Fênix exigem que o praticante domine os rudimentos da Magia, rituais de expulsão, consagração e criação do círculo mágico, assunção das formas dos deuses e outras técnicas. Caso esse trabalho inicial não tenha sido encetado, não recomendamos o Ritual acima, o que não impede alguém de fazê-lo, mas o fará por sua conta e risco.

ATENÇÃO: NÃO FAÇA ESSE RITUAL. UMA PSICOSE PODERÁ SER DESENCADEADA.

( o post serve apenas como uma pesquisa sobre o tema e não deverá ser levado a sério )

fonte:  pesquisas realizadas no submundo da rede,  em sites cabalísticos.

Segredos de Vampiros

Posted in História, Pesquisas, Relatos on 21/12/2010 by Victtor

Os nove videos abaixo irão mostrar através das pesquisas realizadas no mundo inteiro, todas as histórias, fatos e relatos sobre os Vampiros

Solidão, Sedução e Sexualidade dos Vampiros

Posted in Pesquisas on 18/12/2010 by Victtor

Solidão

O Vampiro é antes de tudo um ser solitário. Ao contrário do que poderia imaginar a sua eternidade conseguida através de pactos com o demônio é muito mais uma maldição do que uma bênção. O rompimento do ciclo natural de vida o lança numa nova dimensão de realidade transformada pelas evoluções da sociedade; por isso, a sua perspectiva de relações se restringe, tomando em conta que o amor pode ser um estado que decreta a sua destruição. No entanto, a energia humana, com todos os encantos e desencantos daqueles que o rodeiam, causam ao seu espírito pestilento uma mistura de desejo e medo a cada vez que se aproxima de uma vítima. Ele sabe que ao buscar o líquido essencial à sua existência poderá encontrar-se com formas e sentimentos que colocarão em xeque a sua opção pela imortalidade. Uma mulher pode levar dentro de si encantos capazes de envolvê-los em teias de sensações carnais que o conduzirão inevitavelmente à paixão, e esse sentimento é perigoso na medida que pode romper as barreiras da demonialidade aproximando-os dos sentimentos comuns a todos os mortais. Existem alguns casos de nosferatus que apaixonados por suas vítimas são surpreendidos pela luz da manhã, letal para sua existência noturna. Na ânsia de sugar o fluido vital se encontram com cenários estimulantes à paixão, e seu ser, que apesar de transcarnalizado conserva sentimentos humanos pode se iludir por um momento, conduzindo-o a caminhos proibidos para sua imortalidade. Essa possibilidade não deixa de mostrar quão terrível é a solidão dos vampiros.

Sedução

O sonho é um elemento que pode ser utilizado pelo nosferatu, pois nesse mundo seus poderes são quase que ilimitados. Ao ver uma vítima que lhe agrade, o vampiro procura no olhar uma maneira para que possa penetrar no seu estado inconsciente de maneira a deixar sua marca. Através dessa porta ele se introduz no mundo dos sonhos onde começa a atuar, transmitindo à sua vítima os mais deliciosos momentos de êxtase sexual. Segundo narrativas de pessoas que tiveram essa experiência, e que não se envergonharam de contar, tudo começa com uma leve brisa que envolve os sentidos numa letárgica sensação de abandono. O corpo se torna um elemento leve que aos poucos é conduzido em mirabolantes vôos pelas mãos do sedutor. Aos poucos a nudez lasciva abre as portas de estranhos caminhos sensuais e a vítima sente-se possuída por uma infinidade de imagens que se tornam cada vez mais reais. Flutuando por uma infinidade de imagens que se tornam mais reais. Flutuando sob o espaço, as veias sangüíneas se dilatam para entrada dos fluidos do vampiro, canalizando a um só instante um turbilhão de prazeres infernais semelhantes aos descritos pelo poeta italiano Dante Alighieri, na Divina Comédia. O inferno deixa de ser um temor para o ser vampirizado para passar a ser um atração. Nuvens de éter invadem todas as moléculas do corpo, lançando-o numa distante dimensão, longe da racionalidade do cotidiano comum a todos os homens. Ao despertar, dificilmente a pessoa se dará conta de que está sendo vítima de um ardil vampiresco; no entanto, assim que entrar em contatob com aquele que a conduz por essas exóticas trilhas, o identificará de forma inconsciente, e fatalmente o convidará ao seu leito, sem saber que atrai para si um amante tão habilidoso que será capaz de esgota-la completamente. Uma das limitações do nosferatu é que não pode entrar numa casa sem ser convidado por alguém que habite o lugar; por isso, o fascínio sensual que exerce sobre as mulheres, muitas vezes facilitarão essa tarefa, chegando mesmo a ser ardentemente desejado, deixando a falsa sensação de que está sendo seduzido, quando na verdade está seduzindo para seus diabólicos fins.

 

Sexualidade

Uma das características comuns a quase todos os vampiros é a bisexualidade. Não importa o sexo da vítima, mas o fluido que dela exala para aumentar a vida daquele que transgrediu a morte. No entanto, a bisexualidade é mais latente nas vampiras. A sua vítima irá se apaixonar pela fragilidade anêmica e emocional que falsamente deixa transparecer, e deixará que o sêmen do seu ventre seja sugado pela boca aflita aquela que procura a imortalidade. As suas línguas se encontrarão num plano de sensualidade ardente que aumenta lentamente até o momento supremo do “beijo de fogo”. A partir desse instante seus corpos estarão igualmente contaminados pelo vírus da luxúria vampiresca, que evoluirá até a ponto em que uma possua completamente a outra, numa paixão diabólica que se estenderá pelos mais recônditos cantos do inferno astral. Depois de consumado esse ritual que poderá demorar dias até chegar ao êxtase supremo, as vampiras iniciarão novas buscas, formando em torno delas um ciclo de orgias intermináveis, onde o sêmen é bebido na glória de satã, e o sangue derramado para a perpetuação da carne.  Apesar dos atraentes caminhos conhecidos pelos vampiros, para se chegar aos mais loucos prazeres da carne, nunca se poderá esperar dele o amor, pois os seus instintos passionais são narcisistas, objetivando pura e simplesmente a alimentar-se a si próprio, saciando seus desejos seus desejos de beleza e juventude, sem se importar com aqueles que lhes emprestam a energia. Na verdade, não existe troca; tudo flui apenas para si, transformando o outro corpo, depois de exaurido, em um saco vazio, com o qual pode fazer o que lhe aprouver. Apesar do corpo de um vampiro poder ser trocado, ele jamais refletirá nenhum tipo de brilho, tendo a função de apenas absorver. Por isso, a sua imagem não existe nos espelhos e sua sombra está aprisionada, impedindo qualquer tipo de propagacão energética por mais simples que seja. Para os vampiros, só é possível se projetarem nocoração das suas vítimas, que por sua vez depois de sugado perde o brilho, como se um diamante depois de demasiadamente lapidado se transformasse em rocha opaca e sem vida.

 

Fontes de Energia do Vampiro Astral

 

Existem mistérios dentro de nós, que não ousamos revelar nem para nós mesmos. Todos os dias vamos à procura de alguma coisa para saciar nossas anciedades, e esse é um processo que se realiza ao preço da nossa sanidade mental, ou quem sabe da insanidade. Nessa busca sugamos energias, e nos deixamos ser sugados, num metabolismo que às vezes escapa do nosso controle. Procuramos fontes para alimentar-nos de sabedoria, sexo, sonhos, esperança, vida. Por mais que um suicida deseje a morte, o que está procurando é um meio de libertar-se dos morasmos causados pela sua ansiedade. Então, na verdade, não quer morrer, mas saciar-se com a vida, para isso é capaz de qualquer atitude, chegando ao extremo de matar-se por desespero, sem saber que justamente é nela que está a fonte de criação que lhe permitiria a auto-preservação diante da morte. A ação do tempo envelhece a matéria, tornando a realidade da morte cada vez mais próxima; o objetivo do vampiro astral é conseguir vencer esse círculo tomando a energia de outros, para preservar sua beleza física e aumentar seus dotes intelectuais, aumentando o fascínio que as outras pessoas terão por ele. Para isso, não mede esforços, e procura sugar tudo que possa converter em força para realizar a travessia através do inexorável círculo do tempo. Normalmente esses vampiros são atraentes, contando com um charme muito especial, e sabem formar teias com as palavras capazes de aprisonar para sempre o coração de um incauto. Os seus olhos irradiam a sedução do fogo dos infernos, despertando nas suas vítimas o ardente desejo de conhecer os mistérios que domina. Nos movimentos transmite a sabedoria daqueles que sabem caminhar nas trevas. Por isso, quando se aproxima de alguém para roubar-lhe as energias, provoca a atraente sensação de angústia misturada ao encantamento diabólico do desconhecido. O vampirismo astral acontece em todos os níveis de relações humanas, tanto no envolvimento social como no físico. O empresário de uma grande empresa alimenta-se do trabalho dos seus operários e por isso pode pagar tratamentos de luxo que lhe preservam a juventude por mais tempo. Já os operários, exauridos, em pouco tempo se transformam em esqueletos devidos as dificuldades que enfrentam no dia a dia. Ja na relação entre duas mulheres é necessário que uma beba o sêmen da outra para alimentar a sua beleza e sua força masculina capaz de quebrar as barreiras que se colocam a sua frente. O lesbianismo é o mais autêntico caso de vampirismo astral. Aquela que está sendo possuída tem a sensação de estar entregando-se a mil serpentes que elevam seu goso ao mais louco êxtase. A essência que flui nesse orgasmo é imediatamente absorvido e transformado em vitalidade. Também nas relações do homem com mulher pode acontecer o vampirismo astral, a partir do momento que um possui o outro. A mulher absorve o esperma para transforma-lo em energia viva, e o homem por sua vez domina a fêmea. Era comum durante o império romano, as esposas dos poderosos convocarem muitos escravos para se masturbarem diante de uma banheira, onde era recolhido o esperma para seus banhos de embelezamento. O líquido saído das entranhas dos escravos era um eficiente creme contra as rugas, e deixava a pele macia, num nítido desejo de fugir da ação do tempo. Não menos famoso, é o caso da Condessa Bathory que recolhia centenas de camponesas no interior da Itália prometendo-lhes uma vida mais confortavel, e depois de realizar todos os tipos de libertinagem com as moçoilas, passava todas a fio de espada para tomar orgíacos banhos de sangue. Quando presa e interpelada pelas autoridades porque a necessidade do sangue, ela confessou que temia ficar velha, e o sangue das jovens lhe restituía a mocidade perdida.

Todos os rituais místicos conduzidos por um sacerdote têm um caráter de absorção da energia alheia, pois enquanto os fiéis rezam, este apenas abre os braços para receber dentro de si toda a força da fé. Esse é o alimento básico de todas as religiões que, sem crentes para sustentar sua estrutura energética, estaria fadada ao desaparecimento através do desgaste dos séculos. A entrada da cultura oriental no ocidente, trouxe hordas de vampiros, astrais, que se passando por gurus, roubam energia dos seus fanáticos seguidores, sem que isso seja negativo ou positivo, mas apenas ma constatação. A maioria dessas seitas pregam o anulamento da personalidade em detrimento da verdade coletiva pregada. Então a força de cada um tem que se transformar em alguma coisa que muitas vezes foge da compreenção racional humana. Há poucos anos, milhares de seguidores do Pastor norte americano, Jin Jones, num momento de frenesi coletivo, foram conclamados a morrer pela causa “evangélica”. No entanto, até hoje o corpo do pastor não foi encontrado, o que abre especulações da possibilidade dele viver abastadamente num país tropical, usurfruindo do esforço dos seus seguidores.

Sempre que uma pessoa iniciar relações com um vampiro astral, começará a perder suas energias vitais, estando cada vez mais sujeita à sua vontade. Depois de exauridas suas forças o vampiro simplesmente o renega, deixando-o abandonado à sua sorte, e praticamente sem possibilidades de uma recuperação. Nesses casos estariam colocados os gigolôs, que depois de explorarem suas mulheres da maneira que lhes convém, as atiram à beira da sarjeta com a sua potenciadade de amor totalmente exaurida. Enquanto o pérfido goza o ouro adquirido dos seus corpos. Mas temos que dizer que alguns tipos deroubo ou doação de energia são necessários para a sobrevivência de outros. Por exemplo: quando uma pessoa está sofrendo de anemia profunda e necessita de uma transfusão de sangue. A princípio, isso sería vampirismo, mas na realidade o sangue está sendo utilizado para a salvação de uma vida. Também uma ama de leite que tem que amamentar uma criança cuja mãe não possui o precioso alimento. Ela está na verdade fortalecendo a vida de um ser que pela sua pureza só irá glorificar a vida, afastando qualquer possibilidade de roubo de energia. Mas o demônio, e por sua vez os seus súditos, possuem as suas artimanhas e costumam colocar no mundo certas criaturinhas que aparentam serem humanos, mas que na verdade vieram para espalhar o ódio e o terror no mundo. Normalmente a mãe desses pequenos demônios não sabem que fecundaram dentro do útero a vil criatura, pois são possuídas pelo canhoto durante os sonhos que se assemelham à realidade. Ao despertar, em tudo lhes parece fantástico demais para ser verdade. Por isso, aparecem grávidas e pensam ter sido obra disso, o marido ou amante que possuam porventura. Na hora de parir são tomadas porintensas dores que lhes levam a morte no ato de dar à luz ou para melhor dizer às trevas. Esses bebês, sem mãe, necessitam de alguém para amamentar e os súditos do demo escolhem amas de leite ricas em energia. Iniciando dessa forma um ritual de vampirismo, do qual jamais tomará conhecimento a própria mulher, a não ser quando totalmente exaurida de seus atributos cairá diante da maligna criatura. Para reconhecer essas criaturinhas basta olhar para o lado esquerdo do seu cérebro que possui a marca do rei das trevas em forma de três seis em forma de uma cabala que significa o poder das trevas sobre a criação divina.  ( fonte:  mortesubita.org )


O que se entende até agora sobre a Morte

Posted in Pesquisas on 16/12/2010 by Victtor

Personificação

A morte como uma entidade sensível é um conceito que existe em muitas sociedades desde o início da história. A morte também é representada por uma figura mitológica em várias culturas. Na iconografia ocidental ela é usualmente representada como uma figura esquelética vestida de manta negra com capuz e portando uma foice/gadanha. É representada nas cartas do Tarot e frequentemente ilustrada na literatura e nas artes. A associação da imagem com o ceifador está relacionada ao trigo, que na Bíblia simboliza a vida. Em inglês, é geralmente dado à morte o nome de “Grim Reaper”. Também é dado o nome de Anjo da Morte (em hebraico:מַלְאַךְ הַמָּוֶת Malach HaMavet), decorrente da Bíblia. A morte também é uma figura mitológica que tem existido na mitologia e na cultura popular desde o surgimento dos contadores de histórias. Na mitologia grega, Tânato seria a divindade que personificava a morte, e Hades, o deus do mundo da morte. O ceifador também aparece nas cartas de tarô e em vários trabalhos televisivos e cinematográficos. Uma das formas dessa personificação é um grande personagem da série Discworld de Terry Pratchett, com grande parte dos romances centrando-se nela como personagem principal. Em alguns casos, essa personificação da morte é realmente capaz de causar a morte da vítima, gerando histórias de que ela pode ser subornada, enganada, ou iludida, a fim de manter uma vida. Outras crenças consideram que o espectro da morte é apenas um psicopompo e serve para cortar os laços antigos entre a alma e o corpo e para orientar o falecido ao outro mundo sem ter qualquer controle sobre o fato da morte da vítima. Morte em muitas línguas é personificada na forma masculina (como no inglês), enquanto em outros ela é percebida como uma personagem feminina (por exemplo, em línguas eslavas). A série supernatural apresentou uma visão nova da morte onde um dos cavaleiros do apocalipse e a morte na condição humana, discutem com o personagem principal sobre sua origem, ao qual ele afirma ser mais velho do que Deus, e que acima do que céus e terra, além de ter existido também em outros planetas, tendo levando a vida lá também para o abismo.

Considerações

Biologicamente, a morte pode ocorrer para o todo o organismo ou apenas para parte dele. É possível para células individuais, ou mesmoórgãos, morrerem e ainda assim o organismo continuar a viver. Muitas células individuais vivem por apenas pouco tempo e a maior parte das células de um organismo são continuamente substituídas por novas células. A substituição de células, através da divisão celular, é definida pelo tamanho dos telômeros e ao fim de um certo número de divisões, cessa. Ao final deste ciclo de renovação celular, não há mais replicação, e o organismo terá de funcionar com cada vez menos células. Isso influenciará o desempenho dos órgãos num processo degenerativo até o ponto em que não haverá mais condições de propagação de sinais químicos para o funcionamento das funções vitais do organismo; o que seria morte natural por velhice. Também é possível que um animal continue vivo, mas sem sinal de atividade cerebral (morte cerebral); nestas condições, tecidos e órgãos vivem e podem ser usados para transplantes. Porém, neste caso, os tecidos sobreviventes precisam ser removidos e transplantados rapidamente ou morrerão também. Em raros casos, algumas células podem sobreviver, como no caso de Henrietta Lacks (um caso em que células cancerígenas foram retiradas do seu corpo por um cientista, continuando a multiplicar-se indefinidamente).

A irreversibilidade é normalmente citada como um atributo da morte. Cientificamente, é impossível trazer de novo à vida um organismo morto. Se um organismo vive, é porque ainda não morreu anteriormente. No entanto, muitas pessoas não acreditam que a morte física é sempre e necessariamente irreversível, enquanto outras acreditam em ressuscitação do espírito ou do corpo e outras ainda, têm esperança que futuros avanços científicos e tecnológicos possam trazê-las de volta à vida, utilizando técnicas ainda embrionárias, tais como a criogenia ou outros meios de ressuscitação ainda por descobrir. Alguns biólogos acreditam que a função da morte é primariamente permitir a evolução.

 

Morte humana

Historicamente, tentativas de definir o momento exato da morte foram problemáticas. A identificação do momento exato da morte é importante, entre outros casos, no transplante de órgãos, porque tais órgãos precisam de ser transplantados (cirurgicamente) o mais rápido possível. A Morte foi anteriormente definida como parada cardíaca e respiratória mas, com o desenvolvimento da ressuscitação cardiopulmonar e desfibrilação, surgia um dilema: ou a definição de morte estava errada, ou técnicas que realmente ressuscitavam uma pessoa foram descobertas (em vários casos, respiração e pulso cardíaco podem ser restabelecidos). A primeira explicação foi aceita, e atualmente, a definição médica de morte é conhecida como morte clínica, morte cerebral ou parada cardíaca irreversível. A morte cerebral é definida pela cessação de atividade eléctrica no cérebro. Porém, aqueles que mantêm que apenas o neo-córtex do cérebro é necessário para a consciência argumentam que só a atividade eléctrica do neo-córtex deve ser considerada para definir a morte. Na maioria das vezes, é usada uma definição mais conservadora de morte: a interrupção da atividade eléctrica no cérebro como um todo, e não apenas no neo-córtex, é adoptada, como, por exemplo, na “Definição Uniforme de Morte”  nos Estados Unidos. Até nesses casos, a definição de morte pode ser difícil. EEGs podem detectar pequenos impulsos elétricos onde nenhum existe, enquanto houve casos onde atividade cerebral em um dado cérebro mostrou-se baixa demais para que EEGs os detectassem. Por causa disso, vários hospitais possuem elaborados protocolos determinando morte envolvendo EEGs em intervalos separados. A história médica contem muitas referências a pessoas que foram declaradas mortas por médicos, e durante os procedimentos para embalsamento eram encontradas vivas. Histórias de pessoas enterradas vivas (e assumindo que não foram embalsamadas) levaram um inventor no começo doséculo XX a desenhar um sistema de alarme que poderia ser ativado dentro do caixão. Por causa das dificuldades na definição de morte, na maioria dos protocolos de emergência, mais de uma confirmação de morte (de médicos diferentes) é necessária. Alguns protocolos de treinamento, por exemplo, afirmam que uma pessoa não deve ser considerada morta a não ser que indicações óbvias que a morte ocorreu existam, como decapitação ou dano extremo ao corpo. Face a qualquer possibilidade de vida, e na ausência de uma ordem de não-ressuscitação, equipes de emergência devem proceder ao transporte o mais imediato possível até ao hospital, para que o paciente possa ser examinado por um médico. Isso leva à situação comum de um paciente ser dado como morto à chegada do hospital.

Pós-morte

A questão de o que acontece, especialmente com os humanos, durante e após a morte (ou o que acontece “uma vez morto”, se pensarmos na morte como um estado permanente) é uma interrogação frequente, latente mesmo, na psique humana. Tais questões vêm de longa data, e a crença numa vida após a morte como a reencarnação ou ida a outros mundos é comum e antiga). Para muitos, a crença e informações sobre a vida após a morte são uma consolação ou uma cobarvia em relação à morte de um ser amado ou à prospecção da sua própria morte. Por outro lado, medo do Inferno ou de outras consequências negativas podem tornar a morte algo mais temido. A contemplação humana da morte é uma motivação importante para o desenvolvimento de sistemas de crenças e religiões organizadas. Por essa razão, palavra passamento quando dita por um espírita, significa a morte do corpo. A passagem da vida corpórea para a vida espiritual. Apesar desse ser conceito comum a muitas crenças, ela normalmente segue padrões diferentes de definição de acordo com cada filosofia. Várias religiões creem que após a morte o ser vivo ficaria junto do seu criador (Deus).
Muitos antropólogos sentem que os enterros fúnebres atribuídos ao Homem de Neanderthal/Homo neanderthalensis, onde corpos ornamentados estão em covas cuidadosamente escavadas, decoradas com flores e outros motivos simbólicos, é evidência de antiga crença na vida após a morte. Do ponto de vista científico, não se pode confirmar nem rejeitar a idéia de uma vida após a morte. Embora grande parte da comunidade científica sustente que isso não é um assunto que caiba à ciência resolver, muitos cientistas tentaram entrar nesse campo estudando as chamadas “experiências de quase-morte”, e o conceito de “vida” se associa ao de “consciência”. São consideradas duas hipóteses:
- A consciência existe unicamente como resultado de correlações da matéria. Se esta hipótese for verdadeira, a vida cessa de existir no momento da morte.
- A consciência não tem origem física, apenas usa o corpo como instrumento para se expressar. Se esta hipótese for verdadeira, certamente há uma existência de consciência após a morte e provavelmente antes da morte, também, o que induziria às tentativas de validação da reencarnação.

Até quando (e se) a ciência conseguir demonstrar alguma dessas hipóteses, esse assunto continuará a ser uma questão de fé para a grande maioria das pessoas.

Letargia (do latim lethargia) é a perda temporária e completa da sensibilidade e do movimento por causa fisiológica, ainda não identificada, levando o indivíduo a um estado mórbido em que as funções vitais estão atenuadas de tal forma que parece estarem suspensas, dando ao corpo a aparência de morte. O paciente jaz imóvel, os membros pendentes sem rigidez alguma, a respiração e o pulso ficam praticamente imperceptíveis, as pupilas dilatadas e sem reação à luz. Há casos em que o paciente, apesar da inércia absoluta, tudo percebe e compreende, mas se encontra totalmente impossibilitado de reagir de qualquer forma. Por motivo da atividade psíquica conservada durante esse estado letárgico, dá-se o nome de letargia lúcida. Antigamente, devido a falta de recursos da medicina, havia casos de pessoas dadas como mortas e que, posteriormente, no caso de exumações, verificou-se que o cadáver se encontrava em posição diferente da qual fora colocado no caixão ou de tampas arranhadas, sugerindo que tais pessoas foram enterradas vivas durante um estado letárgico(dai o termo: “salvo pelo gongo”, pois colocavam sinos com uma corda no caixão, no caso que a pessoa estivesse viva, a mesma puxa a corda, e eles a retiravam do “túmulo”).

fonte:  pesquisas na internet.

Algumas Características dos Vampiros

Posted in Pesquisas on 16/12/2010 by Victtor

Vampiros são seres idênticos aos humanos, embora mais pálidos pela falta de sol, ou seja, quanto mais velho, mais pálido é o vampiro, a menos que sua genética contenha quantidades diferentes de melanina (negros e índios, por exemplo). Eles  possuem presas aparentes quando estão se alimentado, excitados, raivosos ou empolgados. São imortais e suas aparências serão as mesmas de quando foram transformados, ou seja, uma virgem terá sempre hímen, uma grávida terá sempre a barriga, uma pessoa será sempre magra ou gorda, alta ou baixa.

 

 

Poderes

Força: Todo vampiro, ainda que recém-nascido, é sobrehumanamente forte. Quanto mais velho, mais forte um vampiro é.

Velocidade: Silenciosos e extremamente rápidos, muitas vezes um humano não nota sua chegada ou o vê como um borrão quando correm.

Regeneração: Ferimentos são curados rapidamente, dependendo da quantidade de sangue que o vampiro possue em seu corpo; quanto mais bem alimentado estiver, mais rápido se curará, ficando com fome, porém.

Glamour: São capazes de hipnotizar humanos, fazendo-os agir conforme suas vontades, deixando-os obedientes, cooperativos. O Glamour serve também para extrair a verdade de um humano ou fazê-lo esquecer acontecimentos recentes. Glamour em excesso pode causar danos mentais. É uma hanilidade que deve ser aprendida e praticada para se tornar eficiente.

Sentidos aguçados: Vampiros tem seus sentidos muito mais aguçados do que humanos. O uso de V dá ao humano essa habilidade durante certo tempo.

Vôo: Alguns vampiros são capazes de voar.

Metamorfose: Alguns vampiros são capazes de se transformar em determinados animais.

Fraquezas

Sol: Quanto mais velho um vampiro for, mais sucetível está as queimaduras do sol. Vampiros começam a queimar e carbonizar e se disfazem em uma luz azul brilhante quando queimam por completo.

Sono: Vampiros, ainda que em ambientes protegidos do sol, se enfraquecem durante o dia se acordados, precisando de um bom dia de sono. Quanto mais tempo acordados, mais sangue perdem, através de sangramentos pelos orifícios (olhos, ouvidos, nariz, orelhas).

Estaca: Uma estaca de madeira introduzida no coração de um vampiro é fatal para ele.

Prata: Objetos de prata queimam instantaneamente a pele de um vampiro. Quando há muita prata em contato com o corpo, o vampiro se torna incapaz de se mexer.

Fogo: Quando queimados, seus corpos viram uma poça de sangue fervente.

Entrada em casas: Um vampiro só pode entrar em uma residência humana se convidado a fazê-lo, entretanto, o vampiro pode usar Glamour para que o humano o convide. Em locais públicos não há tal problema.

Hepatite D: Uma doença que tem pouco efieto sobre humanos, mas que, caso esteja no sangue-alimento, o vampiro se infectará e ficará extremamente fraco por cerca de dois meses.
Idade

Vampiros mais velhos são mais fortes e mais rápidos. Embora sua durabilidade no sol diminua e seja tão resistente quanto um vampiro mais novo, os mais velhos dominam os mais novos, mas também devem protegê-los contra ataques de humanos e outras criaturas. Quanto mais velho, teoricamente, mais sábio é o vampiro.

Progênie

Os criadores precisam ensinar seus “filhos” a se alimentarem e a dominarem suas habilidades, para isso, possuem controle sobre eles. A prole é obediente às ordens do criador, assim como só pode se afastar dele quando liberta.

LVA
Liga de Vampiros da América é uma organização cujo maior foco é a relação pública da comunidade vampírica nos Estados Unidos e a promoção dos direitos vampíricos. Serve como ligação entre vampiros e humanos para divulgar e promover a imagem dos vampiros como criaturas que merecem direitos iguais aos dos humanos. A liga não comenta as organizações secretas da política dos vampiros, como a existência da realeza, dos xerifes e dos tribunais. RPs da Liga aparecem em entrevistas na TV debatendo contra anti-vampiros, como religiosos.      (fonte: trublood.vampire-legend.com)

Clãs Vampíricos espalhados pelo Mundo

Posted in Músicas, Pesquisas on 16/12/2010 by Victtor

Os Antediluvianos fundaram os clãs. Cada um radicalmente diferente do outro, apesar da natureza vampírica ser idêntica. Estes clãs são: Clã da Camarilla,  Clãs do Sabá ou Independentes. A Camarilla é uma seita fundada na idade média composta por 7 clãs. Ela defende 6 tradições ancestrais, que já existiam no tempo de Caim. A mais famosa, é a Máscara, que proíbe que um vampiro exponha sua verdadeira natureza a um mortal (é claro que exterminando o mortal logo após a revelação não há nenhum problema). A Camarilla, de um modo ou outro impede uma destruição indiscriminada de mortais e o caos que os vampiros podem causar no mundo, eles são vampiros que ainda andam e agem como humanos (na maioria das vezes). Mas não se engane… nenhuma seita ou clã é completamente benéfica. Os 7 Clãs da Camarilla são:

BRUJAH - Rebeldes, fanáticos, punks e anarquistas.

DISCIPLINAS: Rapidez, Potência e Presença.
FRAQUEZA: São mais sucetíveis ao Frenesi.

 

GANGREL - Selvagens e solitários andarilhos, preferem selvas à selva urbana.
DISCIPLINAS: Animalismo, Fortitude e Metamorfose.
FRAQUEZA: A cada frenesi adquirem um aspecto animalesco.

MALKAVIAN - Loucos e sábios. Todos são peturbados, muitos são geniais.
DISCIPLINAS: Auspícios, Demência e Ofuscação.
FRAQUEZA: Começam o jogo com uma peturbação.

NOSFERATU - Seres monstruosos, vivem escondidos. São os verdadeiros amaldiçoados.
DISCIPLINAS: Animalismo, Ofuscação e Potência.
FRAQUEZA: São realmente horríveis (nem a disciplina Vicissitude pode alterar sua forma).

TOREADOR - Glorificam a beleza e o prazer. Assim como a moda humana.
DISCIPLINAS: Auspícios, Presença e Rapidez.
FRAQUEZA: Ocasionalmente entram em transe quando veêm algo que consideram muito belo.

TREMERE - Magos astutos e traiçoeiros… muito traiçoeiros.
DISCIPLINAS: Auspícios, Dominação e Taumaturgia
FRAQUEZA: Possuem um semi-laço de sangue com o clã.

VENTRUE - Líderes e manipuladores natos.
DISCIPLINAS: Dominação, Fortitude e Presença.
FRAQUEZA: Só bebem do sangue de um tipo de presa (mulheres virgens, homens loiros etc.)
O Sabá:

O sabá é uma seita que desperta horror na Camarilla. E a única que pode fazer frente à mesma. Vampiros que renegarem a sua humanidade e desprezam os mortais, matando e mutilando. Sua organização é uma paródia da Igreja Católica. O Sabá é pequeno se comparado à Camarilla mas anda ganhando terreno, fazendo com que sua seita rival se preocupe. Esta seita não dá a mínima para as tradições da Camarilla, incluindo a Máscara, eles possuem suas próprias regras. O Sabá é composto por 2 clãs: LaSombra e Tzimisce.  Além dos Membros Antitribu dos clãs da Camarilla (Cainitas que se revoltam com sua seita tradicional e trocam-na).

LA SOMBRA - Digamos que sejam o lado negro dos Ventrue. Os líderes natos do Sabá.
DISCIPLINAS: Dominação, Potência e Tenebrosidade
FRAQUEZA: Não possuem reflexo.

TZIMISCE - Cruéis e sábios. São alma do Sabá. Já foi o maior clã, agora está decadente.
DISCIPLINAS: Animalismo, Auspícios e Vicissitude.
FRAQUEZA: Precisam passar a noite envolvidos por 2 punhados de terra de seu solo natal.

Existem também os clãs independentes que andam no território da Camarilla e do Sabá. Eles são:

ASSAMITAS - Assassinos do oriente médio, praticam a diablerie (ou Amaranto).
DISCIPLINAS: Rapidez, Ofuscação e Quietus
FRAQUEZA: O sangue vampírico pode viciar um Membro deste clã.

SEGUIDORES DE SET - Corromper e adquirir poder. Verdadeiras serpentes.
DISCIPLINAS: Ofuscação, Presença e Serpentis.
FRAQUEZA: Ainda mais sensíveis à luz.

GIOVANNI - Uma família italiana. São Negociadores e necromantes.
DISCIPLINAS: Dominação, Necromancia e Potência.
FRAQUEZA: O Beijo é muito doloroso, costuma matar as vítimas.

RAVNOS - Trapaceiros e ladrões, tão nômades quanto os Gangrel.
DISCIPLINAS: Animalismo, Fortitude e Quimerismo.
FRAQUEZA: Fraqueza por algum truque, travessura ou farsa.

Caitiff - Os sem-clã. Tanto por opção quanto por possuírem o sangue fraco demais para carregarem alguma característica do clã (sangue fraco é devido a gerações muito altas, acima da décima terceira).
Existem também outras “seitas” como: os Anarquistas, vampiros na maioria neófitos, que desafiam os anciões não aceitando as tradições e sua autoridade. E também o Inconnu: Cainitas (em sua grande maioria antigos) que se afastaram da Jyhad, a eterna guerra dos anciões (iniciada pelos Antediluvianos).

fonte:  sonofire0.tripod.com

A Origem do Vampirismo

Posted in Livros, Pesquisas on 15/12/2010 by Victtor

Vampirismo é uma palavra abrangente que refere a uma antiga tradição de vampiros fundada no Antigo Egito. Está relacionado também ao ato e forma de retirar a energia ou sangue de outra pessoa, de forma involuntária pelo meio de ataque vampírico, ou de forma voluntária pelo intermédio de doadores. Por alguns é considerado uma doença, mas para outros é a forma comum para adquirir o seu sustento. A versão mais tradicional e menos mediática vê o vampirismo como uma religião e sistema filosófico, sustentado por espiritualidade predatória e onde é dada uma grande ênfase à prática metafísica, cujo nome é Asetianismo. O vampirismo é também uma vertente obscura e misteriosa dos estudos ocultistas, baseado em espiritualidade predatória. Os conceitos de vampirismo sob esta análise distinguem-se do vampirismo observado na ficção bem como os conceitos espalhados pela sua mitologia. É uma antiga tradição de mistérios, em que os seus defensores referem que data desde os tempos do Antigo Egito. Grande parte do conhecimento sobre esta tradição, denominada por Asetianismo, são mantidos por uma antiga ordem de mistérios que dá pelo nome de Aset Ka, cuja influência na sociedade ocultista é reconhecida a nível internacional, e cuja sede em Portugal encontra-se localizada na cidade do Porto. O livro central relativo à tradição vampírica é a Asetian Bible, a Bíblia Asetiana, cuja versão de acesso público foi publicada em 2007 pela Aset Ka e escrita por Luis Marques , um autor de origem Portuguesa reconhecido internacionalmente como especialista em simbologia antiga, mitologia e religião. O texto explora toda a componente filosófica e espiritual da tradição Asetiana, bem como as suas práticas metafísicas e rituais religiosos de origem Egípcia, com grande influência do simbolismo milenar do Médio Oriente. Toda a cultura vampírica é assim analisada ao pormenor, bem como a evolução do arquétipo vampírico desde os tempos antigos até aos modernos e onde a influência do simbolismo vampírico é explorado na forma como influênciou a sociedade ao longo dos tempos.

Asetian Bible

A Bíblia Asetian é um trabalho oficial sobre Ancient Egyptian espiritualidade e vampirismo vida real, que apresenta a tradição Asetian para o mundo, desenvolvido em uma maneira para ambos iniciados e estudiosos. Após milênios de sigilo elitista, uma tradição antiga quanto o próprio tempo, construído antes da fundação da humanidade, escapa do vazio da eternidade para ser visto em toda a névoa. O primeiro caminho escuro mística na história, um sistema profundo de espiritualidade predatória, ecos Asetianism a saga dos vampiros primeiro-nascido, os filhos dos deuses imortais. Após as guerras dos antigos impérios, quests dos sacerdotes do velho e longas pesquisas de inúmeros observadores ao longo dos séculos, o conhecimento sagrado do Egipto é agora revelado na teologia enigmática Asetian em um volume de palavras sagradas. autor Internacional Luis Marques, um dos maiores especialistas do mundo na espiritualidade Asetian, é um renomado especialista em metafísica, vampirismo e conhecimento do Antigo Egito na Ordem de Aset Ka. Este trabalho, desenvolvido entre Portugal eo Egipto, foi concluída em 2007, como resultado de anos de experiência e crescimento. Com acesso garantido aos textos classificados, conhecimento interior e práticas internas para a Ordem de Aset Ka, Luis Marques desenvolveu este livro a partir do zero de modo a ser acessível para o público em geral, apresentando uma referência sólida sobre vampirismo, magia e espiritualidade Kemetic . Uma autoridade da religião e do simbolismo antigo, o autor apresenta-nos os segredos internos dos Sábios escondida atrás da beleza de suas palavras e enigmaticamente texto inspirador .

Veja o Império Asetiano  ( o áudio não foi autorizado – sem som )

Livro  Asetian Bible

Autor: Luis Marques

ISBN:  9899569402

Data de Publicação: Jul 2007

Editora: Aset Ka

Edição: Versão Pública. Primeira

Número de páginas: 300

Idioma: Inglês

onde procurar: http://www.tobombando.com/shopping_32.html

 

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 44 outros seguidores